A voz da Massa: Jogo do Galo, só alegria?

A Geral do Galo é um espaço aberto para o torcedor. O texto abaixo, não é de nenhum dos colunistas da Geral, é do torcedor Homero Moraes que nos o enviou. Ele presenciou a situação na venda de ingressos para o jogo do galo ontem.

Fila de ontem (Foto: Fael Lima/Camisa Doze)

Mais um dia frio em Belo Horizonte. Acordar um pouco mais cedo, tomar um café da manhã reforçado e se preparar para enfrentar fila já que hoje começa a vender os ingressos para o jogo de domingo do Galo. Chegando à Sede de Lourdes. Já às 06h30min, a fila estava na metade do quarteirão da Rua Bernardo Guimarães, meio intimidadora, mas pequena ainda. “Com vinte e poucos mil ingressos à venda, pouco mais de 400 pessoas não deve ser o suficiente para esgotar” pensamos.

A partir do momento que cheguei, a fila foi só crescendo. Alguns colegas, vindos da Praça Raul Soares, disseram que o final da fila já estava dando uma volta completa no quarteirão, isso ocorreu pouco depois das nove horas. Finalmente, dez horas da manhã. O início da venda dos ingressos, expectativa no ar.

Passados vinte minutos, a fila não tinha andado sequer 1 metro. Um pouco estranho, mas tudo bem, mesmo sem entender continuamos a esperar. Pouco depois, a fila começou a andar e o esperado momento da compra do ingresso estava chegando. Éramos quatro, iríamos comprar ingressos para o Setor Especial Pitangui, que custa R$ 30,00 a meia. Quando começamos a chegar mais perto da bilheteria, ouvia-se uma conversa de que já havia esgotado os ingressos de R$ 40 e a respectiva meia entrada, de R$ 20. Ponderamos e chegamos à conclusão de que isso era IMPOSSÍVEL. Ora, não havia mais que 500 pessoas na nossa frente, o programa Galo Na Veia não inclui esse setor e cada pessoa pode comprar apenas cinco ingressos, é meio improvável que TODOS esses tenham sido vendidos. Mas isso não importava, não queríamos ingressos desse setor que esgotou e estávamos cada vez mais perto do início da fila.

Por volta de 11 horas chegamos à bilheteria. Finalmente era a nossa vez, estavam dizendo que mais algum setor tinha se esgotado, a cota de meia entrada havia acabado, mas não ligávamos pois estávamos a poucos metros da compra do bilhete. Quando fomos atendidos, pedimos: “Por favor, quatro ingressos meia entrada de R$ 30 para o Setor Pitangui.” nesse instante, fomos respondidos: “Esse setor acabou a meia entrada. Agora só há ingressos de 60 reais ou de 200.”. Ficamos sem reação, boquiabertos.

Como isso poderia estar acontecendo? Numa matemática bastante burra, fizemos a conta:

Cabem 23 mil pessoas no estádio; em torno de 5 mil são do Galo na Veia; dos 18 mil ingressos restantes, pelo menos 5 mil são do Setor Especial em si, todos os três; se, apenas se, houvesse quinhentas pessoas na nossa frente, com TODAS comprando os cinco ingressos permitidos para cada, sendo os CINCO meia entrada, com 2.500 ingressos desse tipo disponíveis, SOMENTE assim eles poderiam teriam acabado.

Creio que, mesmo com outro ponto de venda no Labareda, é bastante improvável que com ambos pontos de venda começando as vendas simultaneamente e ainda, que outro setor INTEIRO já havia sido esgotado, é bastante improvável que TODAS as meias entradas do Setor Especial acabaram. Essa conta não fecha, não faz sentido que isso tenha ocorrido se todos os ingressos foram colocados à venda.

Após essa decepção, saímos de lá sem comprar ingresso nenhum, pois R$ 60 é muito acima do que esperávamos, fomos abordados por um bondoso cidadão perguntando-nos: “Quer comprar ingresso?” e reparamos a quantidade ABSURDA de ingressos que ele possuía em sua mão.

Não temos provas, não temos o que fazer, somos impotentes em relação à isso mas sei de uma coisa: Acredito que a corrupção, bandidagem e falta de ética atinge SIM a nós, a população, bem longe da política, logo ali no nosso time do coração. Não creio haver outra explicação para o ocorrido. Ver o Ronaldinho e cia. jogando fica para uma próxima oportunidade. Contra o Internacional, daqui duas semanas, chegarei AINDA mais cedo e preparado para gastar R$ 60 pois saberei como funcionam as coisas por lá. Isso NÃO afeta meu sentimento pelo clube, sei que isso não é culpa de jogador, presidente ou técnico, apenas culpa da lei mais universal: A Lei de Gérson, sempre levando vantagem.

Boa sorte para nós contra a Portuguesa, parabéns a quem conseguiu comprar seu ingresso sem ser esfaqueado pelo mercado negro e nos vemos nos bares da capital assistindo a mais um jogo do Galo.

(Foto: Fael Lima/Camisa Doze)

 

Autor do post:
O Atleticano

Deixe seu comentário

(Obrigatório)
(Obrigatório, Não será publicado)
Notificar por e-mail

3 Comentários

  • Ricardo

    Atletico -mg x Gremio ano passado ,arena do Jacare,aconteceu a mesma coisa amigo,só que la estavamos em 10 pessoas,veio um sem vergonha querendo vender ingresso a 80,00 reias,a ultima coisa que me lembro ele correndo pelo estacionamento perdendo o tenis, o short caindo e pulando mato a dentro ,e a gente entrando de graça no jogo do galo,infelizmente chama policia ou mostra para eles que a bandidagem não vale a pena ,sei que foi errado o que fizemos ,mas foi muito revoltante enfrentar fila e não ter ingresso ,mas ter mais de 15 na mão desses safados.Fiz o que a policia não faz.Alegria e galo para todos.

    • Alexandre Loss

      Isto está acontecendo em todos os jogos do Galo no Independenia sem exceção. É evidente que a conivência de funcionários do Galo na bilheteia e provavelmente da polícia que sabe quem são os cambistas e não coíbem.
      Mas tudo isto só exIste porque do outro lado existe um trouxa que compra ingressos de cambistas e alimenta este mercado.
      Infelizmente a Diretoria do galo faz vista grossa para este problema, pois financeiramente falando é indiferente pro clube. Mas esta é uma visão míope. O Atletico esta deixando escapar a futura geração da massa que não está tendo oportunidade de ir ao estadio atualmente, sem falar que cada vez mais se vê lugares vagos nas arquibancadas e o time perde a força que vem da Massa, fora o consumo nos bares que cai.
      Porque não vender ingressos pela internet com um sistema integrado as bilheterias e com limitação de quantidade limitada por CPF? Isto é tecnologia simples hoje em dia.
      Mas aqui é Brasil e no futebol e no nosso glorioso e amado time não é diferente: reina a corrupção e o Laís esperto.
      Acorda Kalil! Acorda torcedor! Diga não aos cambista… ladrão sem receptador abandona a “profissão”!

      • Arrolha Raposa

        Amigos alvinegros – isso tem a ver com a política do “que me importa” adotado pela direção do nosso amado galo sim.
        Um presidente cheio de manias estranhas que até hoje não ganha senão campeonatos mineiros e ainda chama torcida de “chata”, enjoada.
        Ora, chata é a cara dele que não anda sendo a cara do clube.
        Chamar uma torcida dessas de enjoada, chata? – torcida cuja, que todo jogador se sente inspirado, mudando comportamento e tocado nos sentimentos como Reinaldo, Marques, Tardelli, Darcy, Tafarell, Doriva, Cerezzo, Dario, Serginho Araújo e tantos outros?
        Isso é desrespeito mesmo Sr. Kalil –
        GANHA ALGO ACIMA DO QUE VALE A TORCIDA DO GALO DO GALO, depois então veremos se tem conquistas e dignidade pra tratar assim.
        Não somos palhaços nem mulher de malandro não.
        ME RECUSO AO ATLÉTICO O TÍTULO DE TORCIDA APAIXONADA E SEM TÍTULOS…O GALO NÃO NASCEU PRÁ ISSO, FALASTRÃO.
        CHEGAAAAAAAA!!!!