Desapegar. Esse verbo o torcedor não conjuga

Um dos ensinamentos budistas nos diz que aprender a viver é aprender a se desapegar.

Desapegar. Caminho para a santificação, o desapego. Por isso extremamente difícil para nós humanos de todos os séculos.

Desapegar-se dos nossos, dos bens, de nós mesmo.

Exercício pouco exercido.

Mas, possível.

Possível em quase tudo. Exclua-se rapidamente, determinantemente a paixão pelo futebol.

Juramos abandonar, prometemos não ir mais ao estádio, não falar mais sobre esse assunto. Vamos desapegar. Mentira! Mentira não por ser mentiroso o torcedor, mentira porque é impossível.

O torcedor ama vencer. Mas acredita, erroneamente, que se apega as vitórias. Nas vitórias ele relaxa, goza e dorme.

O torcedor não consegue se desapegar é nas derrotas. É nelas que enraíza sua paixão.

Porque nada é mais forte em nós humanos, do que a luta pela sobrevivência e o sentimento da esperança. Eles nos mantém acordados.

Nas derrotas e nas quedas a raiz que se encravou no peito daquele que torce, é adubada por um Deus arrebatador. Que não nos permite desistir, abstrair, fugir. Aqui somos expulsos do paraíso. Deus nos exige consciência alerta. Acordados .

Acordados. Porque fora do paraíso é preciso trabalhar. Voltar a vencer. Relaxar, gozar e dormir.

Desapegar. Torcedor não conjuga esse verbo. Aqui, nunca aprendemos a viver.

Autor do post:
Kk De Paula

Deixe seu comentário

(Obrigatório)
(Obrigatório, Não será publicado)
Notificar por e-mail

Seja o primeiro a comentar este post