Arena Fonte Nova: mau começo

A torcida sofreu bastante tanto para comprar ingresso quanto para enfrentar a violência policial

Tricolores,  falta de planejamento e de organização foi o fator responsável pela confusão na venda de ingressos para o Ba-Vice de inauguração da Arena Fonte Nova, que será no dia 7 de abril. Os encarregados pelas vendas dos bilhetes não dimensionaram a paixão que o torcedor baiano tem pelo futebol e concentraram as vendas em praticamente um ponto (a própria Arena) e, pela Internet, cuja informação era de que venderia a partir da 00h e só começou mesmo por volta de 1h30. Eles só divulgaram que havia ingressos também em Pituaçu e no Estádio de Canabrava posteriormente. Ora, ora, com tantos pontos na cidade, por que concentrar tudo na Fonte Nova e com a presença de duas torcidas rivais? Esses ingressos poderiam ser vendidos em vários pontos, o que com certeza evitava toda aquela confusão, com empurra-empurra, polícia agredindo e outras coisas absurdas. Tomara que, no dia da partida, providências sejam tomadas para que se evitem fatos lamentáveis como os que ocorreram ontem.

Ingresso com preço salgado, cada setor do estádio custa um preço, criança a partir de três anos já paga, ou seja, há muitos fatores que espantam o público do estádio. É certo que o Bahia já tem garantidos cerca de 9 milhões de reais para atuar na arena, mas tenho muito medo de que ele atue sempre com estádio vazio pois muita gente não terá condições de pagar 45 reais como valor mínimo (meia) para ver, por exemplo, Bahia x Feirense, Bahia x Juazeirense e outros. Na realidade, eles vão cobrar 90 reais, pois exigirão carteira de estudante para quem comprar meia. Só no jogo de estréia é que não haverá essa exigência De um modo geral, a torcida não tem condições de pagar tão caro para assistir uma partida de futebol. Essa minha apreensão se baseia nos m=comentários pela cidade e na posição de vários amigos torcedores do Bahia, que estão afirmando que irão poucas vezes a campo, irão selecionar os jogos que vão etc. Para aliviar a coisa, pode-se tentar aderir ao TOBA (Torcedor Oficial do Bahia), mas, além de os participantes pagarem cerca de 800 reais/ano (valor que poucos podem pagar), vão ficar mal posicionados no estádio.

O Bahia é um time de massa, que sempre jogou com o apoio da torcida e a falta ou pouca presença dela será altamente prejudicial para o time. Espero que os homens que dirigem nosso futebol revejam essa questão de preço porque, senão, o estádio se tornará um elefante branco, sempre com pouca presença de público. Nos primeiros jogos, por ser novidade, isso pode até não acontecer, mas com o passar do tempo a possibilidade de ocorrer será imensa.

Autor do post:
Kleber Leal

Deixe seu comentário

(Obrigatório)
(Obrigatório, Não será publicado)
Notificar por e-mail

Seja o primeiro a comentar este post