Até quando vamos aturar isso?

O Bahia não conseguiu furar o bloqueio do Cruzeiro, que fez um gol no início da partida, se fechou e garantiu o triunfo

Tricolores, a rotina de más atuações do nosso time parece não ter fim e o sofrimento da torcida também. O Bahia perdeu ontem para o Cruzeiro em Pituaçu por 1 a 0, numa partida em que, mais uma vez, teve um volume de jogo maior, mas faltou aquele algo mais para conseguirmos um resultado melhor. Pecava no último passe, na criação de um lance mais incisivo, faltou alguém que acertasse o chute no gol. O time mineiro, que nada tem a ver com isso, não jogou praticamente nada, postou-se na defesa, utilizando os contra-ataques, fez 1 a 0 no início do primeiro tempo e segurou o resultado até o final. A torcida, que cada vez mais se afasta dos jogos, não merece passar por isso. Até quando vamos ter que aguentar essa situação????  A diretoria do Bahia demonstra muita incompetência nas contratações e, sinceramente, não acredito numa mudança de postura da equipe, que caminha a passos largos para retornar à Série B. A decepção é grande.

O JOGO – Se quem tivesse mais posse de bola ganhasse o jogo, o Bahia sairia vencedor no primeiro tempo. O problema é que ele ficava com a bola nos pés de forma improdutiva, numa correria desenfread,a sem criar lances mais agudos. Como vem acontecendo, sentiu demais o fato de jogar com laterais improvisados, o que o obrigou a afunilar o jogo pelo congestionado meio, gerando muitos erros de passe. Por sua vez, o Cruzeiro ficou bem postado na sua defesa, saindo em perigosíssimos contra-ataques, orquestrados por Montillo, que, solto, fez o que quis. Além de puxar perigosos contra-ataques, fez o gol de abertura do placar, aos nove minutos, numa bola pela direita que foi cruzada, Titi rebateu mal e o argentino chutou rasteiro para o fundo das redes.

Depois do gol, o Esquadrão de Aço entrou em desespero, o que piorou com a total falta de paciência da torcida, que passou a vaiar os jogadores. A equipe mineira se aproveitou da situação e quase chega ao segundo gol, com  dois perigosos chutes de longe e num lance em que, após falha de Hélder, a bola foi cruzada para a área e Borges, livre, mandou pra fora. Chance do Bahia mesmo só teve uma, numa bola em que Rafael Gladiador chutou após cruzamento da direita e o goleiro Fábio defendeu. Quando o juiz apitou o final da primeira etapa os jogadores do Bahia foram para os vestiários sob muita vaia e “ouvindo” o coro “Vergonha, vergonha, time sem vergonha”.

No segundo tempo, o Cruzeiro ficou mais recuado ainda, o Bahia aumentou a pressão, com boas atuações de Gabriel e Zé Roberto, porém, com o time mineiro todo na defesa, nossa equipe não conseguiu chegar ao gol, pois nos faltou competência para isso. O time mineiro praticamente não atacou porque nosso sistema defensivo estava muito bem. Na frente, o Bahia rondou a área do adversário muitas vezes, mas chutava mascado, ou batia na zaga, ou passava muito longe, enfim, nada deu certo. A atuação de Mancini foi simplesmente ridícula. Esse jogador não corre, erra muitos passes e até a bola parada, que é seu forte,  ele desperdiçou várias vezes. Temos que melhorar muito e, nas condições atuais do elenco, isso será muito difícil, quase impossível, de acontecer. Mas, deixando uma mensagem de otimismo aos tricolores,  não podemos jogar a toalha desde já, pois onde há vida há esperança e a esperança tem que ser a última que morre. Teremos agora dois jogos seguidos fora de casa contra adversários que teoricamente disputam a permanência na Série A com a gente. Precisamos vencer esses jogos. Como isso vai acontecer, ninguém sabe…

Autor do post:
Kleber Leal

Deixe seu comentário

(Obrigatório)
(Obrigatório, Não será publicado)
Notificar por e-mail

Seja o primeiro a comentar este post