E Caio caiu fora

Não, não foi nossa desorientada direção quem demitiu Caio Júnior cerca de um mês após contratá-lo. Ele pediu para ir embora “por questões familiares”. Não posso duvidar da palavra de ninguém, mas confesso que é muto difícil acreditar nesse argumento de Caio. A realidade é que ele já viu que nosso elenco é fraco, que dificilmente tem capacidade de melhorar, e tratou de pular fora. Afinal, assim ou assado, ele sairá “por cima da carne seca”, pois pegou o time em último lugar e está deixando fora da zona de rebaixamento, tendo conseguido dois triunfos importantes fora de casa (contra o Palmeiras e contra a Ponte preta). Caio pode bater no peito e dizer que tirou o Bahia da zona, o que é a pura verdade, embora o time armado por ele não tenha convencido ninguém, muito pelo contrário. Só jogou bem o segundo tempo contra o Verdão e a partida contra o Corinthians. Contra a Ponte, venceu na pura sorte. Contando também com a Sul-Americana, o aproveitamento total de Caio foi de 30%, com duas vitórias, três empates e cinco derrotas.

Depois das besteiras que fez no jogo de domingo passado, contra o Atlético de Goiás, ao recuar demais o time após marcar gol; ao tirar Jussandro, que vinha fazendo uma boa partida, e ao não levar Lulinha nem paro o banco, preferindo levar atletas sem ritmo, Caio realmente caiu em desgraça com a torcida e dificilmente ficaria por mais tempo. Agora o Bahia tem uma sequência de pedreiras pela frente, e o ilustre Caio, que não é bobo nem nada, tratou de se mandar, evitando largar a equipe na zona de rebaixamento. Para o currículo dele, portanto, vai ficar marcado que assumiu o Bahia em último e tirou da zona. Para isso dizem que levou em torno de 300 mil reais, salário que ele supostamente ganhava no Bahia. Muito esperto, ele!!!!

JORGINHO – Rei morto, Rei posto. Saiu Caio Júnior, e Jorginho, que subiu para a Série A com a Lusa ano passado, deve chegar. Não é treinador com perfil de Série A, inclusive acabou de ser demitido do Atlético-PR, que está na B. Mas o problemas maior do Bahia não é treinador: é elenco. Contratamos muito e quase nenhum dos contratados aprovaram; alguns, como Kléberson e Elias, que tiveram desempenho razoável, estão no Departamento Médico. Outros, como Neto, Jéferson, Caio e Cláudio Pitibull, ainda sem ritmo, estão entrando agora no time. A realidade é que não fomos felizes com as contratações, nada está dando certo. Mas, como no futebol às vezes a coisa começa a mudar de uma hora para outra, vamos torcer para que dê tempo desses jogadores que estão fora de forma entrarem em ritmo e conseguirem tirar o Bahia da ameaça de rebaixamento, independentemente de quem seja o treinador.

Autor do post:
Kleber Leal

Deixe seu comentário

(Obrigatório)
(Obrigatório, Não será publicado)
Notificar por e-mail

1 Comentário

  • Marcelo Fraguas

    Concordo em parte, Kleber Leal.
    O Maior Problema do EC Bahia, é GESTÃO.
    Tem muito cacique, eu soube, que ainda apita e muito lá dentro…
    Mas, se acham que coronelismo funciona, vamos lá…Rumo a Série B…