Empate na sorte

Tricolores, admito que o resultado de empate (1×1) de ontem contra o Figueirense em Florianópolis, pelas circunstâncias da partida, foi excelente, mas a forma como a equipe do Bahia se comportou me deixou extremamente preocupado. Eu até aceito que o time seja dominado se estiver jogando contra equipes como Corinthians, Santos, Vasco, Cruzeiro etc. fora de casa, mas contra o Figueirense, não. Com todo o respeito ao time de Santa Catarina, o Bahia precisa jogar contra ele de igual para igual, mesmo no campo dele,  mas ontem o que se viu foi nossa equipe ser quase que completamente dominada pelo adversário, que só não venceu porque nossos zagueiros e nosso goleiro salvaram gols certos e os atacantes adversários também não  estavam com a pontaria calibrada. Nosso sistema de marcação tomou um passeio, com apenas Fahel se acabando para dar combate, nossos laterais foram muito mal e a coisa só não foi pior porque tanto Danny Moaris quanto o estreante Lucas Fonseca estavam muito bem, embora dessem vacilo no momento do gol do Figueirense. Jones era o único que tentava criar alguma coisa, mas o problema é que ele corre demais mas chuta mal e geralmente desperdiça as jogadas. Foi substituído por Vânder, que acabou marcando o gol de empate. O outro estreante, Mancini, deixou muito a desejar, demonstrando estar completamente fora de forma física.

Até os 15 minutos da etapa inicial, não havia domínio de nenhuma das equipes, que pareciam estar se estudando, mas, aos 16 minutos, num contra-ataque rápido do Figueira, a bola foi chutada com perigo por Caio e Marcelo Lomba fez uma defesa difícil. A partir desse momento, o time de Santa Catarina cresceu no jogo e começou a ter o domínio das ações. O Bahia tentava contra-atacar com Jones, que descia em velocidade, mas não evoluía tanto com as jogadas. Elias também se esforçou bastante mas Júnior não ajudava.  Numa das descidas do tricolor, Mancini foi derrubado dentro da área: pênalti que o juiz Heber Roberto Lopes não assinalou.

O Figueirense continuava pressionando por todos os lados do campo e, aos 37 minutos, Júlio césar chutou de longe e a bola foi por cima. Júlio César viria a tentar outro chute que também passou perto. A única chance do Bahia aconteceu num contra-ataque puxado pro Jones, que deu um drible no zagueiro, chutou bem, mas o goleiro fez a intervenção. No finalzinho da primeira etapa, Aloísio ainda desperdiçou uma grande chance para o time catarinense ao desviar mal, de cabeça, um cruzamento da direita.

A pressão do adversário continuou no início do segundo tempo e, no primeiro ataque, a bola foi cabeceada para o gol, mas Danny Morais tirou com o peito. O Bahia respondeu numa cabeçada perigosa de Mancini após cruzamento de Jones, mas o goleiro fez a defesa. Na sequência o time do Figueira abriu no escore numa cobrança de escanteio, que foi desviada de cabeça e sobrou para Júlio César empurrar para as redes. Foi uma falha da dupla de zaga, que estava tão bem, dos volantes e dos laterais, que não acompanharam os atacantes adversários.

Falcão colocou Hélder e Vânder nos lugares de Ávine e Júnior, o Bahia ficou com mais poder de fogo, mas o sufoco continuava. Não tomamos o segundo gol porque, num ataque perigoso, Aloísio chutou, Lomba defendeu, na volta a bola foi chutada mais duas vezes: na primeira, Danny Morais tirou o gol e na outra Lomba defendeu novamente. Como quem não faz toma, nós acabamos chegando ao empate, num cruzamento de Fabinho que a zaga rebateu mal e a bola sobrou para Vânder, com categoria, chutar rasteiro e marcar. O Figueirense continuou em cima e quase desempata num chute de Júlio César que foi na trave e em outro de Fernandes, que Lomba mandou a escanteio.

Pois é, tricolores, hoje, sinceramente, tivemos muita sorte em não perder a partida.Mais do que nunca, o time precisa ser reforçado. Como o Bahia marca mal!!! Os adversário entram como querem na nossa defesa. Tomara que Kléberson seja logo contratado para formar uma dupla de marcação com Fahel, pois Diones sai bem pro jogo, mas não dá tanto combate. Só Fahel marca no nosso time. Em relação às laterais, Ávine ainda não está no melhor de sua forma e vem produzindo muito pouco. Fabinho, improvisado, vem fazendo o que pode. No ataque, Júnior hoje não foi bem, mas, em compensação, Elias voltou a apresentar um bom futebol, com bastante movimentação. Pena que nossos homens responsáveis pela criação, Jones e Mancini, não foram bem. Jones, com muita correria e pouca produção mais uma vez. E como ele chuta mal para o gol!!! Mancini, estreante, fez uma partida tímida, mas a esperança é que ele mostre um melhor futebol com o decorrer dos jogos. Os dois zagueiros, apesar do vacilo no gol do Figueira, foram muito bem. Gostei bastante do estreante Lucas Fonseca, que demonstrou muita segurança, e Danny Morais , que acabou salvando dois gols. Fez a melhor partida dele desde que chegou ao Bahia ano passado.

A lição que ficou do jogo de ontem é que precisamos melhorar a marcação no meio e nossos meias e laterais precisam abastecer  nossos atacantes, que estão um tanto quanto isolados. Para conseguir isso, é necessário que sejam feitas mudanças na equipe, por isso vamos torcer para que dê certo o retorno de jogadores como Mádson e Souza, a entrada de Vânder como titular e, quem sabe, até de Kléberson, que está ara ter a contratação concretizada amanhã.

Autor do post:
Kleber Leal

Deixe seu comentário

(Obrigatório)
(Obrigatório, Não será publicado)
Notificar por e-mail

1 Comentário

  • Luiz Tricolor

    Eu só vi os 15 min do 1o. tempo pq tive q sair. Mas com certeza o Figueirense é muito limitado. Era jogo pra sair com 3 pts. Infelimente Mancini foi muita lábia e pouco futebol! Os torcedores do Galo comemoraram a saída dele, e por isso tenho muito receio de como ele será no Bahia! Esse time tem q melhorar muito pra não ser rebaixado! Hj estamos em 15o., mas Palmeiras e Corinthians não vão ficar atras o campeonato todo! Agora é rezar pra ganharmos do Inter!