Ganhamos “três pontos”

O Bahia levou um sufoco no primeiro tempo, mas no segundo encaixou a marcação e conseguiu o empate

Tricolores, na partida de ontem contra o Sport na Ilha do Retiro, nós ganhamos “três pontos”. Tudo bem, o jogo foi empate em 1 a 1, na realidade ganhamos um. Porém, impedimos que o concorrente direto Sport ganhasse mais dois. Sim, porque o time de Pernambuco abriu o escore mo início do primeiro tempo e desperdiçou inúmeras chances de ampliar o marcador. Caiu de produção na etapa final, nós melhoramos e chegamos ao empate que nos mantém com cinco ponto a a mais que o Sport, primeiro da zona de rebaixamento. De um modo geral, a atuação do nosso time não foi boa, a mais fraca sob o comando de Jorginho, mas o importante foi que conquistamos um pontinho importantíssimo e agora vamos com tudo pra cima do Figueirense no próximo domingo aqui em Pituaçu, que com certeza estará lotado.

O Bahia no primeiro tempo esteve irreconhecível, não viu a cor da bola. Ofensivamente não criamos nada, pois os homens de meio e os laterais não conseguiram nem pegar na bola e, por isso, não abasteciam o ataque. Sentindo muito a ausência de Fahel, nosso melhor marcador, o sistema de marcação ficou perdido em campo e não conseguia bloquear as velozes descidas do Sport, que, em empurrado pela torcida, foi todo à frente e criou inúmeras oportunidades. Aliás, desde o primeiro minuto o time de Pernambuco mostrou pra que veio a campo. A bola foi lançada em profundidade na área e Marcelo Lomba teve que fazer uma saída arrojada para evitar que o atacante adversário chegasse. O Bahia respondeu com uma cabeçada de Souza, que o goleiro pegou tranquilamente. No segundo ataque, o rubro-negro de Pernambuco fez 1 a 0, aos quatro minutos, numa bola cruzada da esquerda, que foi desviada por Hugo de cabeça, sem chances para Lomba. O nosso tricolor ficou apavorado. Os volantes não conseguiam interceptar uma jogada do Sport, que nos pressionava por todos os lados do campo em alta velocidade. Pra completar, Fabinho errava passes em demasia e Zé Roberto nada criava, prejudicando bastante o time.

Numa jogada ensaiada numa cobrança de falta, o Sport quase chega ao segundo, tendo a bola sido chutada pra fora. Timidamente, o Bahia chegou num cruzamento para Souza, que demorou de chutar. Num bom chute de Ritchely, Lomba espalmou pra frente e Danny Morais espanou. Depois René entrou livre mas chutou por cima, desperdiçando outra boa oportunidade para os rubro-negros. Depois, Jussandro salvou um gol certo, ao se atirar na frente da bola num chute de Gilsinho de dentro da área. Numa cobrança de escanteio, a bola foi desviada de cabeça e Lomba pegou no susto. O Time de Pernambuco ainda teve um gol anulado marcado por Hugo, que fez falta. Apenas nos A pressão pernambucana era enorme, mas, nos cinco minutos finais, o Bahia conseguiu chegar com uma certa organização, tendo inclusive um bom chute de Fabinho de fora, que o goleiro mandou a escanteio.

SEGUNDO TEMPO – A esperança era que, na segunda etapa, o Bahia reencontrasse o bom futebol dos últimos jogos e que o Sport não corresse tanto, já que tinha se desgastado muito nos 45 minutos iniciais. O Bahia não repetiu as grandes atuações anteriores, mas deu uma melhorada considerável, pois encaixou a marcação e começou a ter saída de bola para o ataque, sendo a entrada de Elias fundamental para essa melhora. O time de Recife, por sua vez, já não tinha o ímpeto inicial e procurou se resguardar mais, tentando sair nos contragolpes.

Neto, logo no começo, cobrou uma falta para a fácil defesa do goleiro. Após esse lance, Titi saiu jogando errado, Hugo roubou a bola e chutou com perigo, rente à trave. A partir daí, os deslocamentos de Elias, tabelando com Jones Carioca e Souza, começaram a levar perigo à defesa adversária. Num desses lances, o goleiro deles teve que tirar com o pé. Depois, Souza tentou um chute de longe, sem resultado. Apesar de errarmos alguns passes, passamos a ser mais efetivos ofensivamente. No nosso melhor momento, Elias mandou de longe e acertou uma bomba na trave. Tivemos várias descidas também pelas laterais do campo. O problema é que, tanto Jussandro, quanto Neto erraram muitos cruzamentos. Mas foi numa jogada pela beirada que nós chegamos ao gol de empate, quando Jones Carioca foi no fundo e cruzou para a área. Souza tentou de cabeça mas a bola sobrou para Elias, que rolou opara Hélder dominar e bater rasteiro, decretando o empate. Depois do gol , quase chegamos ao segundo, num lance em que Souza recebeu de Elias na corrida e, quando ia arrematar, foi interceptado pelo zagueiro.

Espero que o time não repita a má atuação do primeiro tempo, pois, naquele momento do jogo, só não tomamos dois ou três gols por causa das defesas de Lomba e da péssima pontaria dos jogadores do Sport. O futebol de marcação avançada e de rápidas saídas para o ataque apareceu um pouco no segundo tempo, embora sem a qualidade de jogos anteriores. Contra o Figueirense, no próximo domingo, precisamos voltar a jogar como jogamos contra o Vasco, quando tivemos boa qualidade defensiva e ofensiva no primeiro tempo e melhoramos mais ainda no segundo. A atuação Elias, que, após muito tempo parado, entrou no segundo tempo no lugar de Zé Roberto, deu outra cara à equipe e nos anima para próximo jogo, já que não teremos Souza, que tomou o terceiro cartão amarelo.

 

Autor do post:
Kleber Leal

Deixe seu comentário

(Obrigatório)
(Obrigatório, Não será publicado)
Notificar por e-mail

1 Comentário

  • josé bacelar dos santos

    jorginho espero ver vc treinando nosso querido Bahia pelo menos até o final do brasileirão. bora Bahêaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa