Maldita arbitragem

A péssima arbitragem de Cláudio Francisco de Lima causou revolta

Tricolores, a arbitragem desastrosa do Sr. Claudio Francisco de Lima, da Federação Sergipana, impediu que conseguíssemos um triunfo ou um empate na partida de ontem contra o Grêmio no Estádio Olímpico, quando perdemos por 3 a 1. Além de dar um pênalti inexistente no primeiro gol gremista , esse cidadão, junto com seus auxiliares, anulou um gol legítimo nosso, alegando impediment,o e validou o segundo gol do tricolor gaúcho, quando, após a cabeçada do volante Souza, Kleber, em posição de impedimento, participou diretamente do gol (a bola bateu também nas costas dele), atrapalhando Marcelo Lomba. Além disso, foi condescendente como mesmo Kleber, no primeiro tempo, num lance em que o meia gremista meteu o pé em Marcelo Lomba, merecendo ser expulso, e que ele só deu amarelo. A direção do Bahia tem que fazer uma representação junto à CBF contra esse trio de arbitragem, embora todos nós saibamos que não adianta nada, pois os árbitros têm como padrão, em caso de dúvida, beneficiar o time de mais tradição, o time de mais mídia, o time que tem mais influência. Tanto isso é verdade que, no jogo contra o Sport, aqui em Salvador, tivemos um gol irregular marcado a nosso favor, mas contra o Vasco tivemos um pênalti não marcado e, contra o Flamengo, o juiz marcou contra nós um que não existiu.

O Bahia entrou em campo com uma proposta de se defender bem e sair nos contra-ataques e, até o Grêmio abrir o escore com Elano cobrando o pênalti que não houve (Kleber e Titi se empurraram e o primeiro se jogou), nosso tricolor, fechadinho, fazia isso muito bem, neutralizando as jogadas do adversário, que só tentava chutes de longe. Aliás, um pouco antes do pênalti, o próprio Elano tinha se jogado e ele corretamente não marcou. Com isso, ficou pressionado e eu tinha certeza de que se surgisse outra oportunidade ele daria o pênalti, mesmo que não fosse. Outro grande erro do juizão foi uma entrada maldosa de Kleber em Marcelo Lomba, um caso típico de expulsão e ele deu apenas cartão amarelo

Apesar de o time gaúcho ter mais posse de bola, praticamente não conseguia entrar na nossa área, exceto numa bola em que Marcelo Moreno recebeu e chutou pra fora O Grêmio procurava dar arremates de longe  sem perigo, como num arremate de Zé Roberto e outro de Elano. Aliás, até o momento do pênalti, quem tinha tido a chance mais real foi o Bahia, num lance em que Júnior recebeu dentro da área e chutou por cima. Após o gol gremista, ele também tiveram outra oportunidade, com Marcelo Moreno desperdiçando após receber dentro da  área. O Bahia procurou sair mais da defesa tentando o empate, tendo inclusive um arremate de longe e sem perigo de Hélder. No final o Grêmio poderia ser ampliado num lance em que Elano recebeu livre e mandou por cima do goleiro.

Com a desvantagem no placar, o Bahia voltou com Lulinha no lugar de Ávine, tendo Hélder ido para a lateral esquerda. Após duas boas descidas do Grêmio, inclusive com uma cabeçada de Elano na trave, o Bahia partiu para cima, com Lulinha incendiando o jogo e ganhando todas para o lateral Edílson.  Na primeira bola ele passou e deu um bom chute para a defesa do goleiro. Numa boa triangulação do nosso ataque, Mancni chutou e o goleiro pegou. O Grêmio respondeu, após uma confusão na área, tendo Lomba feito uma boa defesa. Num outro ataque puxado por Lulinha, a bola foi rolada para Fabinho que chutou com perigo. Dava para sentir que o gol do Bahia estava amadurecendo e ele veio aos 18 minutos numa falta cobrada por Mancini que Fahel desviou de cabeça para as redes. Aos 19 minutos, com Fahel pegou uma sobra do goleiro após chute de Lulinha  e mandou para as redes, fazendo 2 a 1, mas o incompetente auxiliar, junto com  árbitro, viram impedimento, embora o gol fosse legal.

A partida ficou lá e cá até os 42 minutos, quando numa cobrança de escanteio o tricolor gaúcho fez 2 a 1, num lance em que a bola foi desviada e Kleber, completamente impedido, teve a bola batida nas costas antes de entrar para revolta de todos os tricolores. Na confusão o juiz ainda expulso Danny Morais. No final eles ainda fizeram o terceiro, com Marcelo Moreno chutando por cobertura.

O saldo dessa partida é que o Bahia jogou bem e, se não fosse a arbitragem, poderia sair com um triunfo de Porto Alegre. Temos que ter consciência de que, além de enfrentar os adversários, enfrentaremos também o trio de arbitragem. A equipe já dá sinais de melhora, mesmo assim precisamos reforçar muito ainda para superarmos todos esses obstáculos que estamos enfrentando e que ainda vamos enfrentar.

Autor do post:
Kleber Leal

Deixe seu comentário

(Obrigatório)
(Obrigatório, Não será publicado)
Notificar por e-mail

Seja o primeiro a comentar este post