Quarentena tricolor

Tal como a bola nesse lance do jogo de ontem, o bom futebol fugiu dos pés dos atletas do Bahia neste Nordestão

Tricolores, aconteceu o que todos nós já esperávamos: após o empate sem gols contra o Itabaiana ontem, estamos eliminados da Copa do Nordeste. O jogo foi tão ruim que parece até que o admistrador do estádio desligou os refletores cerca de 30 minutos porque não estava gostando do verdadeiro “baba”. Esperávamos essa tragédia da eliminação não pelo grau de dificuldade do torneio, com times fracos tecnicamente,  mas o futebol que apresentamos nessa primeira fase da competição realmente não nos credenciava para a classificação. Não apresentamos absolutamente nada, mesmo nas duas partidas em que vencemos. Jogamos um futebol apático, sem qualidade, sem poder de criação e marcação. Os jogadores, com salários atrasados, pareciam não estar “nem aí” pra nada e nosso treinador, sempre tão coerente e equilibrado com as coisas, cometendo insanidades como o tal revezamento de atletas, sob o pretexto de poupá-los, o que na prática só fez o time ter dificuldade de ganhar ritmo de jogo e conjunto.
O presidente Marcelo Guimarães Filho, alegando que o time já tinha uma base, achou que não seria necessário fazer tantas contratações, o que ficou provado que não é bem assim. Nossa base é fraca, precisa ser reforçada urgentemente. E os reforços têm que vir para o elenco e não apenas para o 11 titular. É difícil encontrar algum jogador que tenha feito alguma coisa de positivo nesses jogos o Nordestão. Todos foram muito mal, e alguns, como Jussandro e Zé Roberto, ficaram abaixo da crítica, com atuações bisonhas .
Nesses últimos dias, nosso presidente ficou muito mais preocupado em responder às críticas dos torcedores de forma indelicada e com palavrões do que efetivamente agir para mudar a situação da equipe. As carências que o time demonstra, sem lateral-esquerdo de qualidade, sem homens de criação, sem um bom atacante de beirada, existem desde o ano passado. Mas nossa diretoria, além de negociar nosso principal jogador (Gabriel), não conseguiu fazer contratações de imediato sob a alegação de que o mercado estava inflacionado, No entanto, times que têm o mesmo poder aquisitivo do nosso conseguiram fazer contratações de qualidade e nós não. Tudo bem que temos alguns jogadores ainda para estrear, como Obina e Paulo Rosales, mas essas contratações deveriam ter sido feitas logo para que eles pudessem jogar o Nordestão.

Agora, ficaremos num prejuízo terrível, pois vamos ficar cerca de 40 dias, uma quarentena, sem atuar e o ideal é que os jogadores treinem bastante, inclusive no período do Carnaval. O ideal também é que nosso treinador tenha em mãos  reforços de qualidade para que o time entre no Campeonato Baiano e na Copa do Brasil pra ganhar e no Brasileirão com condições de fazer uma grande campanha. Para conseguir tudo isso, nossa diretoria precisa se mexer mais, se dedicar mais, colocar os salários em dia, dá mais opções ao técnico. O pior é que  nenhum torcedor acredita no poder de ação dos homens que dirigem o nosso amado clube.

Autor do post:
Kleber Leal

Deixe seu comentário

(Obrigatório)
(Obrigatório, Não será publicado)
Notificar por e-mail

1 Comentário

  • Marcio V. O. Motta

    No calendário atual não adianta ter um time e sim um grupo com 30 opções. A base do Bahia é ótima e o técnico precisa ir mesclando e injetando o ânimo dos jovens, além de poupar peças para os momentos mais decisivos!