Uma semana de muita tensão…

Kléberson mais uma vez foi figura apagadíssima e não contribuiu em nada para evitar o empate do Bahia contra o Náutico

Tricolores, lamentavelmente não conseguimos vencer o Náutico ontem em Pituaçu e agora precisamos de um empate domingo, contra o Atlético de Goiás no Serra Dourada, para nos manter na Primeira Divisão. Mesmo com o apoio maciço da Nação Tricolor, que lotou Pituaçu, não jogamos o suficiente para fazer os três pontos e dois fatos foram determinantes para a igualdade em 1 a 1: a saída de Diones e Souza por contusão, logo no início da partida, e as substituições equivocadas do técnico Jorginho no decorrer do jogo. Felizmente o Fluminense do Rio arrancou um empate contra o Sport na Ilha do Retiro e, por causa disso, o Bahia precisa só de si próprio para conseguir permanecer na elite no ano que vem. Mas precisamos jogar muito mais do que estamos jogando se quisermos permanecer na na Série A do Brasileirão

Como empate beneficiava o Náutico, o time pernambucano entrou com uma postura clara de cozinhar o jogo, fazer o tempo passar e conseguir o objetivo. Em menos de 20 minutos, as duas equipes já tinham feito duas substituições cada. No Náutico, a saída do volante Martinez fez o técnico Galo colocar o ex-Bahia Alyson em campo, fechando mais ainda a defesa, e nós perdermos Diones e Souza, ou seja, a referência no meio e a referência no ataque. A ausência do Caveirão fez com que os três zagueiros do adversários não tivessem a quem marcar, até porque Jorginho não tinha no banco um atacante com as mesmas características de Souza e errou ao colocar o fraquíssmo Elias, quando o bom senso mandava que ele entrasse com Jones Carioca, que não é essa coca-cola toda, mas é menos pior que Elias. No lugar de Diones, ele colocou Kléberson, que mais uma vez foi figura apagadíssima e não contribuiu e nada.

O Bahia tentava tomar a iniciativa do jogo mas esbarrava no ferrolho do time Timbu, que bloqueava bem e procurava contra-atacar, mas não tinha sucesso porque nossa zaga estava bem postada, com Titi e Lucas Fonseca demonstrando muita segurança. Sem Netona lateral direita, era fundamental que Jussandro partisse para o apoio, mas ele não esteve tão bem na primeira etapa. Hélder, muito marcado, tentou de tudo mas não obteve tanto êxito, embora acertasse um chute forte na trave, em lance em que a arbitragem já havia invalidado equivocadamente. Outro lance anulado por falha de arbitragem foi uma cabeçada perigosa de Jussandro, que passou perto. Se essas bolas entrassem ia dar merda para os homens do apito.
O Náutico teve uma boa chance numa jogada de linha de fundo que foi passada para Araújo e ele tentou de calcanhar, com a bola desviando na zaga e indo a escanteio. A resposta do Bahia veio numa jogada trabalhada por Gabriel  e Hélder, que rolou para Fabinho encher o pé de forma bisonha e pra fora. Depois teve um chute rasteiro de Gabriel que foi pra fora.

O Bahia começou o segundo tempo bem melhor ofensivamente. Depois de um cruzamento na  em que o goleiro do Timbu tirou no sufoco,  Hélder lançou Jussandro na área e ele recebeu a carga faltosa do zagueiro: pênalti, cobrado e convertido por Gabriel aos seis minutos. Mas este gol, em vez de facilitar as coisas, acabou sendo ruim pra nós, porque o Bahia recuou demasiadamente o time e começou a ser pressionado pelo Náutico. Chegou a criar outra boa oportunidade numa jogada em que Gabriel recebeu na linha de fundo, cortou pro meio e deu um chute cruzado para defesa do goleiro. Mas depois não conseguiu mais nada e o time de Recife foi pra cima. Numa descida pela esquerda, Kim entrou na área e chutou com perigo. Depois, teve uma falta bem cobrada por Souza, que Lomba defendeu com dificuldade. A coisa piorou quando Jorginho tirou Zé Roberto e colocou o volante Victor Lemos, chamando mais ainda o Náutico pra cima do nosso tricolor. Deveria ter colocado Jones Carioca, que, além de dar trabalho no ataque, tem senso de marcação. Na sequência o time pernambucano acabou chegando  ao empate, aos 33 minutos, num cruzamento de Souza, que Dimba desviou de cabeça para marcar. Falha da zaga e de Lomba, que saiu mal do gol.
Após o empate, o Timbu votou a ficar mais na defesa, e o Bahia, dependendo da “criatividade” de Kléberson e do “faro de gol” de Elias, não conseguiu mais nada. Agora é juntar os cacos, armar o time para tentar o empate domingo contra o Atlético de Goiás, sem depender do resultado de Náutico x Sport. Pior que Diones e Souza saíram machucados e, caso não joguem, teremos um time mais fragilizado, o que será muito ruim. A realidade é que estamos nesse sufoco devido ao péssimo primeiro turno que fizemos e pelo fato de nosso elenco ser muito fraco, principalmente em relação peças de reposição. Precisamos lutar muito para conseguirmos o resultado que nos livre da maldita Série B, pois, se cairmos, será muito doloroso para a torcida tricolor, que, de forma alguma, merece essa tragédia. Viveremos uma semana de muita tensão, mas vamos torcer para que no final tudo dê certo. O que não podemos é jogar a toalha.

Autor do post:
Kleber Leal

Deixe seu comentário

(Obrigatório)
(Obrigatório, Não será publicado)
Notificar por e-mail

Seja o primeiro a comentar este post