“Do Rebaixamento à Libertadores” – Paulistão e Copa do Brasil 2009

Um semestre digno de filme, com direito a cobertura magnífica e registro em DVD.

Ronaldo já era ídolo. Apesar da aparente forma física fora do ideal, com a bola nos pés era nítida sua diferença técnica em relação aos outros jogadores. E seus pés foram os principais responsáveis pelo memorável primeiro semestre de 2009.

O Corinthians tinha acabado de voltar da Série B e estava nos braços da Fiel. Eram só notícias boas. Chegada do Ronaldo, patrocínio bom, marketing bombando, ou seja, a equipe vivia um momento especial de volta por cima e renascimento das cinzas. Ganhar um título naquele ano era essencial para consolidar este bom momento e Mano Menezes sabia disso. Manteve os principais jogadores no elenco e ainda teve o reforço de Ronaldo.

O Paulistão era o primeiro teste e a Copa do Brasil o principal. Dois campeonatos que poderiam consolidar a equipe novamente entre os principais times do país, mas não foi fácil. No Paulista a primeira fase apresentou um Corinthians forte defensivamente, mas que ainda precisava melhorar no ataque. Tanto é que empatou 9 partidas em 19 jogos e foi o campeão neste quesito. O lado bom é que não tivemos nenhuma derrota e os 39 pontos garantiram um terceiro lugar, atrás de Palmeiras, que era o atual campeão, e do São Paulo, atual tricampeão brasileiro. O Santos, do menino Neymar, terminou em quarto esta primeira fase.

O cruzamento colocou frente a frente Corinthians x São Paulo e Palmeiras x Santos. O São Paulo vinha embalado de um tricampeonato brasileiro e tinha um belo time. Jorge Wagner, Miranda, Washington, Borges e Hernandes eram os pilares da equipe e prometiam até um certo favoritismo contra o Timão. O primeiro tempo terminou 1 x 1. Mas foi no finalzinho do segundo tempo foi onde a emoção estava reservada. Aos 47 min Jorge Wagner perdeu a bola para o Cristian no meio de campo, que seguiu em velocidade atravessando a intermediária. Saindo dela, quase próximo à entrada da área, soltou uma bomba em direção ao gol. A bola fez uma curva para fora e entrou forte no canto esquerdo. UM GOLAÇO. Na comemoração Cristian mandou um recado à torcida rival com um singelo gesto, colocando-o ao lado do Vampeta no pedestal dos jogadores do Corinthians admirados pelos são-paulinos.

Com o resultado de 2 x 1, esperava-se um jogo mais de marcação por parte do Corinthians na segunda partida. De certa forma, foi o que vimos, mas o ataque foi competente demais e aproveitou algumas chances. Destas, saíram dois gols, Douglas e Ronaldo, confirmando a ida do Coringão à decisão do Paulistão.

O Santos foi o adversário. Eliminou o Palmeiras que havia feito a melhor campanha da primeira fase e também vinha embalado. Porém, o que se viu na Vila Belmiro, local da primeira partida, foi um espetáculo de Ronaldo, Chicão e cia. Com direito a matada de bola sensacional depois de um lançamento que atravessou praticamente o campo inteiro e um golaço de cobertura em cima do Fabio Costa, Ronaldo mostrou ao Brasil e ao mundo porque foi eleito três vezes o melhor jogador do planeta. 3 x 1 no primeiro jogo e 1 x 1 no Pacaembu apenas para confirmar um título invicto do Paulistão de 2009.

Copa do Brasil

O Corinthians queria mais. Queria voltar a disputar a Libertadores da América no qual estava longe desde 2006. Precisava acostumar o elenco a disputar o torneio para trazer cada vez mais para perto o sonho do título continental. E a Copa do Brasil era o caminho mais curto, porém, não foi tão fácil. A caminhada até a final teve de tudo, menos jogos fáceis. Os dois jogos da primeira fase, o Corinthians conseguiu eliminar os jogos de volta, mas os resultados foram na conta. 2 x 0 contra o Itumbiara (jogo este que inclusive marcou a estreia de Ronaldo no Timão) e o mesmo placar contra o Misto do Mato Grosso. Depois, só jogos difíceis contra Atlético PR (2×3 e 2×0), Fluminense (1×0 e 2×2) e Vasco da Gama (1×1 e 0x0).

Na final enfrentamos o Inter de Porto Alegre. O que de certa forma relembrou um pouco o apelo regional que o Sport teve na final anterior, mas a rivalidade era outra. Vinha do Brasileirão 2005 com todo aquele choro visto e revisto e que não cabe falar aqui. O então presidente Colorado, Fernando Carvalho, divulgou um DVD mostrando supostos favorecimentos da arbitragem ao Corinthians. Ou seja, o medo já era evidente. Sabiam que na bola seria difícil e precisavam de artifícios extra campo para tentar equilibrar as forças. Nada disso foi páreo. No primeiro jogo o Corinthians aplicou um 2 x 0 legítimo, mostrando em campo, onde o futebol é jogado, sua superioridade. A bola pune, e puniu o Inter em duas lindas jogadas. Uma do lateral Marcelo Oliveira, que fez uma bela jogada pela esquerda e rolou para o meio, Jorge Henrique de primeiro estufou as redes. No segundo tempo, Ele, sempre Ele, Ronaldo Fenômeno deu drible desconcertante, deixando o zagueiro no chão e bateu de esquerda no canto do goleiro para fazer 2×0. Resultado justo e que praticamente decretara o Campeão daquele torneio.

Foi engraçado acompanhar as Redes Sociais durante a semana, vendo a esperança Colorada de uma virada histórica. De fato lotaram o Beira Rio, mas que logo se transformou no Beira Lágrimas quando sem dó nem piedade o Corinthians abriu 2 x 0 no primeiro tempo. Nem o empate colorado na segundo etapa foi capaz de enxugar as lágrimas de alegria e felicidade dos corinthianos que escovam e se misturavam com as lágrimas de tristeza colorada. Nem mesmo o apagar das luzes exigido pela diretoria amadora do time vermelho foi capaz de tirar o brilho desta equipe que teve um primeiro semestre perfeito, resgatando a alto estima e o respeito que sempre mereceu e provou que podem duvidar, podem desconfiar, mas jamais poderão desacreditar.

E tá lá, tudo registrado, bonitinho… no DVD.

CORINTHIANS GRANDE!!

Siga a Geral do Corinthians no Twitter (@geral_timão) e seus colunistas Julio Cesar (@juliocesar1505), Sandro Terranova (@sandroterranova) e Tchelo Rodrigues (@tche_rogrigues)

Autor do post:
Julio Cesar

Deixe seu comentário

(Obrigatório)
(Obrigatório, Não será publicado)
Notificar por e-mail

1 Comentário