O tempo de Tite

O Corinthians foi eliminado pelo Tolima na Taça Libertadores de 2011 e Tite quase caiu. Muitos torcedores pediram a cabeça do técnico, inclusive este que vos escreve, acreditando que o treinador não reunia qualidade e psicológico suficiente capaz de levar o Corinthians ao patamar de melhor time da América.

Vinha de uma reta final de Brasileirão sem muito brilho, apesar dos jogos facilitados que o Fluminense teve, mas de fato o treinador nunca foi unanimidade em nenhum clube que passou. Até então não tinha o peso de um Felipão, Muricy ou até mesmo um nível do Parreira na época do Corinthians. Segundo informações de dentro do clube, o atual presidente e na ocasião diretor de futebol, Mario Gobbi foi quem bancou a permanência do treinador, acreditando no continuísmo para almejar melhores resultados.

Pois bem, Tite se manteve no cargo e trouxe alguns jogadores para compor elenco, mas sem desvalorizar o grupo atual. Iniciou o Brasileirão de maneira arrasadora, conseguiu o melhor início de um time no campeonato com 10 vitorias e um empate. Sagrou-se campeão Brasileiro e logo depois, campeão da Libertadores, credenciando a equipe a disputar o Mundial de Clubes da FIFA em dezembro.

Caso Tite tivesse de fato caído, será que conseguiríamos estes títulos? É por isso que hoje sou totalmente a favor do continuísmo e da tranquilidade de um trabalho em longo prazo. Claro que isso não é uma regra. Não adianta dar tranquilidade de um trabalho se o clube não der condições estruturais e técnicas para isso. Tite teve isso e muito mais, e os resultados estão aí.

Temos exemplos recentes do Muricy que levou o São Paulo ao tricampeonato brasileiro e depois de sua saída o clube parou no tempo. Outro caso é o Felipão no Palmeiras, que também teve cogitada sua saída, mas o caneco da Copa do Brasil não só o segurou, como o garantiu até o fim do ano.

Claro que vários fatores formam um time campeão, mas tenho certeza que o turn over grande de técnicos, não ajuda em nada. A continuidade de um trabalho favorece o treinador, pois ele consegue manter o padrão tático, moldando a equipe à sua maneira e ajustando os jogadores ideais para cada posição. Isso favorece também a forma de jogo da equipe e melhora o entrosamento acentuando os pontos fortes. É claro que chega o momento em que o desgaste é inevitável e a saída eminente, mas o trabalho em longo prazo prova cada vez mais que os resultados chegam. Basta mudarmos agora a mentalidade da torcida e dos dirigentes, agregando paciência. Ou seja, muito mais complicado.

Corinthians Bilionário

Estudo da BDO RCS Auditores, publicado no site do clube, elevou o valor da marca do Corinthians para exatos 1.005,5 bilhão de reais. É o clube mais bem avaliado do Brasil e o primeiro a atingir a marca do bilhão. Mas o que mais surpreende é a força da torcida, que segundo a auditoria, representa 51% deste montante. Ou seja, aquela história que corinthiano é tudo maloqueiro e sem dinheiro vai por água abaixo. Pelo menos, quando se trata de Corinthians, gastamos muito o nosso dinheiro, seja em produtos licenciados ou no estádio, o corinthiano consome.

 

CORINTHIANS GRANDE!!

Siga a Geral do Corinthians no Twitter (@geral_timão) e seus colunistas Julio Cesar (@juliocesar1505), Sandro Terranova (@sandroterranova) e Tchelo Rodrigues (@tche_rogrigues)

Autor do post:
Julio Cesar

Deixe seu comentário

(Obrigatório)
(Obrigatório, Não será publicado)
Notificar por e-mail

Seja o primeiro a comentar este post