Essa torcida move o time ou o time move a torcida?

Um gigante deixou sua camisa cair em cima do pessoal, coitados. (Foto: Washington Alves / VIPCOMM)

Nunca acreditei que torcida ganha jogo. E nunca concordei com pessoas que dizem fazer parte de uma torcida mais apaixonada que a outra. Toda vez que algum atleticano ou corintiano diz que sua torcida é mais apaixonada pelo time do que a do Cruzeiro, eu sempre respondo “Me mostre um torcedor mais apaixonado por seu time que eu sou pelo Cruzeiro e concordarei com você”.

Toda torcida tem sua parcela apoiadora e sua parcela crítica. Todas apresentam torcedores que aplaudem o tempo todo e torcedores que vaiam e cobram o tempo inteiro. Nenhuma torcida é imune a isso. Mas a do Cruzeiro, nos últimos tempos, encasquetou que torcia pelo Barcelona de Messi e passou a não aceitar derrotas, passes errados, nem jogadores medianos. Todos devem ser craques e perfeitos o tempo todo.

E não é bem assim. O Cruzeiro está longe de ter um time minimamente entrosado, para começo de conversa. Os bons resultados jogando mal aliados aos maus resultados jogando bem deram aos torcedores uma margem inexistente para cobranças e, ao invés de apoiarem um time mexido, desentrosado, com um treinador em início de trabalho (são apenas 10 jogos!), a torcida vaiou a equipe em campo, aplaudiu os adversários e ainda gritou olé para a troca de passes gremista. Não sou contra uma cobrança para que jogadores e técnico fiquem mais espertos e procurem soluções para os problemas, mas não vejo como vaiar quando seu time marca um gol vá mudar algo. Ainda mais nesse cenário futebolístico moderno em que ninguém se importa com outra coisa além de dinheiro.

Faz muito tempo que vaia não ajuda ninguém. Aliás, duvido que algum dia ajudou algum jogador ou time de futebol. Eles não se importam com isso. E quando sentem a vaia, o resultado nunca é positivo. Acho que a torcida espera que, ao vaiar o time, dê poderes especiais a eles, transformando-os em jogadores perfeitos, que conseguem virar qualquer partida. Mas na verdade as vaias só lhes enfraquece, ao passo que percebem que nem sua própria torcida os apoia em momentos difíceis.

Eu sei que as pessoas querem extravasar toda a raiva proporcionada pelo mau resultado, mas são nesses momentos que o time mais precisa do torcedor. Você tem mais força e consegue sair de situações difíceis mais facilmente se tiver alguém que te apoia, acredita em você. E não foi isso que nossa torcida mostrou no jogo contra o Grêmio. As vaias, os gritos de “queremos jogador”, “time pipoqueiro”, não vão fazer ninguém jogar melhor nunca.

O Cruzeiro sofre do “problema” – que não sei realmente se é um problema – de o time mover a torcida ao invés da torcida mover o time. Quando o time ataca, vai bem, faz gols, a torcida é incrível, passa uma energia muito legal para os atletas. Mas se levamos um gol, se sofremos um revés inesperado, um clima negativo se instaura no estádio, um desespero, e o time fica sozinho, desamparado, tendo que correr atrás do resultado.

Acho que deve haver um meio termo. A torcida não vai fazer o time vencer nem perder as partidas, mas pode ajudar. Pode apoiar um time que esteja perdendo e cobrar um que esteja ganhando. Mas sem vaias, sem gritos desestimulantes. Deixe para vaiar ao final da partida, ou no intervalo do jogo. Se algum jogador estiver péssimo (Éverton, estou olhando para você), deixe que o treinador se encarregue de trocá-lo. Além disso, existe algo chamado “volta por cima” e o jogador pode te surpreender, pergunte ao Rafael Donato.

Enfim, acho mais legal torcer a favor do seu time do que contra. Vale a pena tentar.

Autor do post:
Michael Renzetti

Deixe seu comentário

(Obrigatório)
(Obrigatório, Não será publicado)
Notificar por e-mail

7 Comentários

  • gabriels

    do caralho, perfeito o texto

    • Jader

      Novamente um excelente texto Michael, parebéns… torcer é o que a torcida do Cruzeiro fez no final de 2011.. com certeza fizemos toda a diferença na reta final e junto com os que ali estavam, em campo, conseguimos mostrar nosso tamanho, nossa força. Vaias fazem parte do futebol, porém os gritos de “olé”, “timinho” podem ter certeza… SÓ PREJUDICA, ainda mais em um inicio de trabalho! Nunca fomos o Barça das Amaricas e nunca seremos, pois somos o CRUZEIRO das Amaricas, o ” La Bestia Negra”… nós somos a “china Azul” e o nosso poder está no nosso manto sagrado estrelado AZUL! Apoem para depois podermos cobrar! #CruzeiroSempre

      • Alex

        Catamba, o melhor post que já li, entre vários blogs, sobre o Cruzeiro s sua torcida.
        Presenciei essa situação nas derrotas para Estudiantes e Once Caldas.

        • Vinícius

          Ótimo texto.

          • Marina

            Concordo em partes. Achei legal você colocar no texto que ultimamente o time anda movendo a torcida, e não ao contrario. Mas pra mim, o papel do torcedor não é nada pré definido. Não existe isso de ter que “apoiar” durante todo o jogo e deixar a cobrança para o final, por ex. É humanamente IMPOSSÍVEL estar no campo, ver a apatia em que o time se encontrava e apoiar. Questionar, TALVEZ, a forma do protesto eu acho válido, mas nada além disso. Criticar a posição da torcida naquele jogo, pra mim, é meio hipocrisia. Ninguém é obrigado a ver uma péssima atuação e ficar calado. A torcida do Cruzeiro é conhecida, na maioria dos estados, como uma torcida “chata”. E é chata porque pega no pé de jogador, porque xinga, cobra, e, na maioria das vezes, não se cala para essas atuações medianas. O “médio”, “morno”, nunca nos convenceu. Temos sim que ter os pés no chão e entender que não somos nenhum “Barcelona” (como vc citou), e que nenhum dos nossos jogadores é o “Messi”. Mas também não podemos nos apequenar, aceitando esse tipo de jogo e jogador, e acabar acomodando com o médio.

            Enfim, de qualquer forma, bom texto. 🙂

          • Marlei Tartoni

            Muito bem colocado, Michael. Seu texto é bem escrito, gostoso de ler. Parabéns pelas ideias e pela forma de expressá-las.

            • Camila

              Esse assunto já foi tópico de discussão entre eu e meu velho.
              Vaias e xingamentos durante o jogo só tira a confiança do jogado. E se ele está mal vai ficar pior ainda, com a confiança abalada e querendo tanto mostrar o melhor que acaba errando mais.
              Já presenciei jogadores que jogando em casa acabava jogando mal por causa da pressão da torcida, e quando jogava fora ia até bem.
              Torcida é pra incentivar. Depois que o jogo acabar começam os protestos e as vaias. Mas durante os 90 minutos, temos que incentivar, poxa )-:

              Aliás, ótimo texto, como sempre *-*