Haja coração! [Cruzeiro 1 x 0 Flamengo – Brasileirão 2012]

Foto: Ramon Bitencourt / VIPCOMM

E aí, tudo azul?

Bem, amigos da Geral do Cruzeiro, tivemos um teste para cardíaco no Independência neste domingo, acredito que ninguém mais precisa fazer check-up ou ir ao cardiologista após esse jogo. E o Cruzeiro venceu – sem convencer – o Flamengo por 1×0 em um jogo pela décima primeira rodada do Bolsa Família 2012 mais dramático que telejornal em dia de alguma grande tragédia.

Em um duelo entre dois times de grande porte, tudo pode acontecer, inclusive nada. Só que encontramos um Flamengo mais desesperado que um tarado em festa onde só tem casalzinho. Com mais barracos nos bastidores do que todos os realities shows que já aconteceram neste país juntos e com ninguém querendo jogar na Gávea – até porque deve ser muito divertido receber apenas de três em três meses –, o Flamengo se tornou a maior piada do país nos últimos dias. Até porque o Papai Joel, aquele mesmo que parece um tio maluco e engraçadão que todo mundo tem, está fazendo todos os tipos de burrices possíveis em um elenco que já não é dos melhores.

O Papai Joel é uma figura muito adorada por todos os torcedores dos times nos quais trabalha até estrear. Tomar uma cerveja com ele deve ser uma das coisas mais divertidas do mundo. Algo tão engraçado como ir com o Muricy Ramalho ao cardiologista ou fazer um passeio por Recife acompanhado do glorioso Carlinhos Bala. Mas depois que o Joel estreia é um Deus nos acuda. Ele rapidamente se torna a pessoa mais odiada da cidade pela sua retranca e pela sua teimosia ao substituir. Tirar o Adryan, que vinha sendo o melhor jogador do Flamengo foi a burrice da rodada.

Se escorando na cautela, o Juarez não colocou o Sandro Silva de início, optando por Willian Magrão, Leandro Guerreiro e Charles, uma medida que foi correta, analisando friamente. E o time começou com a formação tradicional, um 4-3-1-2, com o Ceará na direita, o Marcelo Oliveira na esquerda, uma zaga com Donato e Mateus. Apesar de muita gente criticar um ou outro dos jogadores, era o que tínhamos de melhor naquele momento.

E o Flamengo veio naquele ferrolho tradicional do Joel, o que fez com que o jogo começasse truncado, duro e difícil para ambos os times. As chances apareciam para os dois lados, até que o Cyborges aproveitou um excelente cruzamento do Ceará e fez 1×0 aos 44 minutos do primeiro tempo. O nosso genial Galvão Bueno narraria: “É DO CRUZEIRO! BORRRRRGEES!”. Pronto, já estava aplicada mais uma goleada cautelosa.

Foto: Ramon Bitencourt / VIPCOMM

O problema é que o time não voltou para o segundo tempo e tomamos um sufoco do Flamengo. Passamos mais aperto do que Nina após ser enterrada viva – ao melhor estilo Kill Bill – pela Carminha e nos seguramos até o final do jogo. Claro, tomamos aquela bola na trave, que o Fábio defendeu e mandou metade dos torcedores para a UTI – os que não foram estão com o coração em dia.

Terminado o jogo, pudemos ter um pouco de tranquilidade e subimos para o quinto lugar. Chegamos aos 20 pontos bem antes da virada do turno, ou seja, temos perspectivas positivas no campeonato. Até a primeira rodada tinha muita gente cravando o nosso rebaixamento. Sigo naquela de “a vaga na Copa Sula Miranda Rainha dos Caminhoneiros é o objetivo e o que vier depois é lucro”. A torcida precisa ter mais paciência com um time que ainda está em formação, mas tem muita vontade para compensar um possível desentrosamento.

Lá no Independência, achei desnecessárias as vaias direcionadas ao Wellingênio. O cara, bem ou mal, é o nosso artilheiro na temporada. Tudo bem que ele fez a pior atuação desde que chegou ao Cruzeiro. Não acertou um lance sequer, não conseguia dominar uma bola, mas temos que ter paciência, ainda mais com o time que está vencendo, pode passar o nervosismo não só para o jogador que está sendo vaiado, mas para todo o time. Tá, eu sou suspeito para falar porque gosto do futebol dele. Mas ele não se chateará conosco. Aposto que até o Pelé já foi vaiado pela torcida santista em alguma atuação ruim.

O mesmo vale para o Marcelo Oliveira. Ele é um bom reserva, não passa disso, mas não precisa ser escrachado toda vez que tiver uma atuação ruim. No próximo jogo o Diego Renan volta – quem diria que eu ia dizer isso – e os nossos problemas serão amenizados por termos alguém que realmente é da posição.

Só não entendo porque o Gilson é tão elogiado pelo Roth e nunca tem uma oportunidade de começar jogando. Ainda mais com um bom lateral-direito e com volantes que marcam bem mais do que os que jogavam com o Vágner Queixada Mancini – também conhecido como Queixo de Tamanco em Pernambuco. Mas caso a nossa necessidade de um lateral-esquerdo não seja suprida no próprio elenco, vi um lateral que joga direitinho no América de Natal, se chama Gustavo.

Além do que já expus, o time precisa parar de agir como o pai de santo inexperiente e errar menos passes. Está uma coisa desesperadora. Nessa brincadeira, tomamos algumas pressões desnecessárias. E isso pode ser mortal contra um Corinthians que joga junto há um bom tempo.

Os pontos positivos foram as atuações do Ceará, do Sandro Silva e da zaga. Realmente vimos um time que está em evolução, mesmo que seja demorada. Mas está que nem a Casa dos Artistas quando o Silvio Santos a criou. Toda semana aparecia alguma novidade, alguma coisa inesperada. E isso pode ser muito bom, mas também pode ser ruim no que diz respeito ao entrosamento.

A torcida esteve muito bem e incentivou o time bastante. Jogos contra o Flamengo precisam que a torcida dê um show à parte, porque eles comparecem em grande número e sempre são destacados pela transmissão. Ainda mais um jogo que passou em rede nacional. Fizemos um bom trabalho e fomos importantes para o bom resultado.

Só gostaria de criticar mais uma vez a logística para receber os torcedores no Independência. Existem três ou quatro entradas para cada portão e só abrem uma das entradas em jogos que sempre dão mais de 15 mil pessoas, o que significa quase 70% da capacidade do estádio. Dizem que é para controlar a multidão, mas a fila se torna uma zona e não há a menor preocupação com o torcedor. Isso é tão bagunçado quanto a barraca do beijo com aquela menina que a escola inteira quer ficar. É esse o “estádio de primeiro mundo”?

Agora é nos preparamos para o clássico contra o Gambá. É um jogo importantíssimo para o Cruzeiro e é o primeiro da série do Paulistinha, com Corinthians fora, Palmeiras em casa, Ponte em casa e Santos fora na sequência.

Uma excelente semana a todos e um beijo para todas as damas.

Geral do Cruzeiro e você, tudo a ver!

Vamos, Cruzeiro!

Autor do post:
Pedro Oliveira

Deixe seu comentário

(Obrigatório)
(Obrigatório, Não será publicado)
Notificar por e-mail

4 Comentários

  • Arthur

    Boa, so acho que analisou errado a formação do cruzeiro, jogamos na verdade com 3-5-2 no primeiro tempo e no segundo jogamos como você percebeu. Leandro guerreiro jogou de libero e Ceara e Marcelo Oliveira como alas, Marcelo oliveira mais precisamente marcando o Leo Moura e o Ceara apoiando ja que ainda não esta 100%, do mesmo jeito que aconteceu com a portuguesa. Qt ao Wp não concordei tambem com as vaias, e fui um daqueles que puxou os aplausos para ele, cara ta fazendo a parte dele e trabalhando temos que apoiar. So um pra mim que precisa mostrar mais e se chama MONTILLO tem 4 partidas que vejo ele jogando sem animo e sem força fisica nenhuma, tem que acordar esse argentino ate porque não temos nenhum camisa 10, e ele tenta fazer essa função.

    • Pedro Oliveira

      Realmente você está correto no que diz respeito a essa variação tática para o 3-5-2 em vários momentos do jogo, com o Guerreiro fazendo o papel de um falso líbero. Quando o Ceará se cansou, ele foi um pouco mais ao ataque e os dois laterais ficaram mais fixos na defesa. E o Montillo não jogou bem nos últimos quatro jogos, mas tem crédito, né? Acredito que ele jogará bem contra o seu ex-futuro clube, o Corinthians…

    • Benjamin

      afffffffffffffffff

      isso não pode ser um análise de uma partida de futebol. Isso que esse Pedro escreveu foi um livro, achei que nunca ia acabar. Ainda tem que ler as pirulas que ele coloca no texto.