Mais do mesmo [Figueirense 2 x 0 Cruzeiro – Brasileirão 2012]

"Bah, guri! Alivia na pergunta que talvez essa seja a minha última coletiva..." (Foto: Denilton Dias/VIPCOMM)

E aí, tudo azul?

Contrariando o slogan que levou o palhaço Tiririca à Câmara dos Deputados, o Cruzeiro conseguiu mostrar em Florianópolis, contra o Figueirense, que o que está ruim pode sim ficar pior. Bem pior. E perdeu por 2 a 0 para os catarinas, sofrendo a terceira derrota seguida no segundo turno do Campeonato Brasileiro de 2012.

Antes de qualquer coisa, eu gostaria de assumir publicamente o quanto queimei a minha língua ao pedir a vinda do Celso Roth – me desculpem, por favor. Não vou exagerar ao ponto de compará-lo com o Queixada Mancini ou com o Estagiário Ávila, mas ele é do mesmo nível do Papai Joel – que, apesar de ser um técnico horrível e ultrapassado, não teria nos deixado na briga contra o rebaixamento em 2011.

Pois bem, com um time necessitando reagir com urgência – e em um cenário onde essa reação era totalmente propícia, contra o vice-lanterna, que mesmo reagindo tem um time fraquíssimo – o Roth inventa o mais surreal dos times, um rabisco de time tentando fingir que é um exemplo de troca de posições e rotatividade com bizarrices como o Souza – que já não é nem rascunho daquele coringa que era fundamental no São Paulo – caindo pela direita, como um falso lateral ou o Tinga aparecendo às vezes como centroavante.

Nas derrotas anteriores, o Cruzeiro teve lampejos de bom futebol até sofrer o empate. Isso aconteceu tanto contra o Botafogo como contra o Sport. Só que no jogo contra o Figueirense, -que poucos sabem, mas é o time do continente da capital dos catarinas enquanto o Avaí é o time da Ilha -, o time não apresentava nem alguns suspiros. A atuação foi ruim o tempo inteiro. As chances que surgiram foram na pouca qualidade que o adversário tem.

E em momentos onde a fase é horrível – quando o Sandro “Calamidade” Silva conseguia jogar sem avacalhar o time, ele se machuca e entra o terrível Marcelo Oliveira -, jogadores com um pouco mais de técnica, como o Montillo, não podem perder gols na cara do goleiro. Isso acaba fazendo muita falta. E essa falta foi sentida aos 34 minutos do primeiro tempo, quando o João Paulo abriu o placar para eles em uma bela cobrança de falta. Aliás, quando a fase é ruim, até um cara que não é o principal cobrador de faltas do adversário acerta o melhor chute da vida dele.

O primeiro tempo acabou e depois do jogo pudemos ouvir que ele foi horrendo na avaliação do Celso. Se foi horrendo para ele que está envergonhado apenas por receber (altos) salários da instituição Cruzeiro Esporte Clube, imagina a nossa situação, que gostamos do time de graça e ainda gastamos verdadeiras fortunas comprando camisas, pagando programas de sócio enquanto o time é punido mais uma vez sem jogar em Belo Horizonte, comprando pay-per-view entre outras situações.

Esperávamos uma mudança de postura no segundo tempo. Aliás, sendo sincero, eu não esperava nada diferente não, era aquela paixão irracional que nos faz acreditar até quando tudo parece perdido. Mas realmente não houve uma mudança de postura que nos levasse à virada e o Roth continuou com aquele esquema com apenas um atacante que só ele entendia até a situação parecer definida.

Teve a bola na trave do Wellingol e foi a única chance que o Cruzeiro teve de realmente empatar o jogo. Mas isso não apagaria a má atuação do time nos últimos três jogos, apenas livraria um pouco a barra do Roth e de uma dúzia de jogadores ridículos que estão no elenco porque o Gilvan Velha Surda tem uma lógica de contratações idêntica à maneira que ele vai ao supermercado. Procura os produtos de boas marcas que estão fora de linha ou em queima de estoque porque encalharam ou compra tudo daquelas marcas alternativas que têm qualidade duvidosa.

A expulsão do Léo foi justa e me preocupa, porque mesmo quando ele joga mal, é um dos melhores em campo pela vontade de não passar vergonha. E isso nem foi “motivo” para o Cruzeiro sofrer o segundo gol, do Aloísio, aos 41 minutos, em uma cabeçada que parecia um chute. Aliás, esse gol foi uma síntese do que tem sido o time atualmente, jogadores sem o menor poder de reação, sem determinação e sem qualidade defensiva.

Confesso a todos vocês que um dos motivos que me levaram a demorar na produção da análise foi a procura de notícias sobre uma possível demissão do Roth. E se ele cair, que venha alguém que pelo menos tenha coerência tática e não fique mais de 20 rodadas tentando conhecer o time.

E mesmo ele tendo essa parcela de culpa, não podemos nos esquecer nunca que a principal culpada é a diretoria amadora do Cruzeiro. A mentalidade de montar um time em janeiro, ver se ele daria certo ou não no Campeonato Rural, esperar uma eliminação na Copa do Brasil para demitir o Mancini, trazer um novo treinador, dispensar os jogadores que não deram certo e trazer quase uma dezena de jogadores durante o Brasileiro é muito Grêmio Barueri para o meu gosto.

Isso só dá certo em times onde não existe pressão. O atual presidente do Cruzeiro é igualzinho ao Tiririca – que já foi citado no texto – ao chegar à Câmara dos Deputados. Chegou lá na Presidência e ainda está descobrindo o que o presidente de um grande clube faz. Não tem pulso firme e nem se preocupa em fazer nada pelo torcedor – vide a carta para os torcedores continuarem “financiando” o time sem ter a menor vantagem com os jogos sendo realizados em outras cidades, podia rolar um ônibus com 50 ou 60% de desconto pelo menos.

Não vou aqui pregar que vamos conseguir uma vaga na Sula Miranda, porque eu enganaria vocês. O mesmo vale para uma vaga na Libertadores . Mas também não acredito que vamos lutar contra o rebaixamento, como foi no ano passado. Não porque nosso time seja excelente, mas porque tem muita gente pior. Só confesso que nem faço ideia onde vamos parar, vai depender muito dos acontecimentos dos próximos dias, se vão demitir o Roth ou não, se vão chamar os jogadores “na regulagem”, se vão dar alguma satisfação à torcida e por aí vai.

É nesses momentos que temos que apoiar o Cruzeiro. Jogadores ruins, treinadores que inventam e diretores ruins de serviço passam, mas aquelas cinco estrelas vão ficar para sempre.

Uma ótima semana a todos.

Vamos, Cruzeiro!


Autor do post:
Pedro Oliveira

Deixe seu comentário

(Obrigatório)
(Obrigatório, Não será publicado)
Notificar por e-mail

5 Comentários

  • stretch kramer

    Belo comentario Pedro acho que vc falou tudo que gostariamos de dizer ontem fiquei triste vendo aquele horror em campo se o figueirense ganhou da gente de quem vamos ganhar?ainda temos que fazerr muitos pontos para um time ruim como o nosso.Eu tambem estou procurando noticias da demissao do jegue do Celso Roth e quem pensa que nao podemos mudar a mula do tecnico e mais louco q ele.Ontem eu pensei isto nao e o cruzeiro….bom dia

    • Pedro Oliveira

      Boa tarde e é isso mesmo, Stretch. Não tem como continuar. O cara escalou 5 volantes ontem. Tinha volante na lateral e até volante tentando ser centroavante. É loucura demais! Um abraço!

    • Onofre

      Mais um ótimo texto. Só discordo em dois pontos: o Leo joga mal sempre; e o Ávila foi injustamente queimado.

      • Bernardo Pereira Moreira

        ahahah queimou a língua memos em Pedro. lembro da gente conversando no twitter sobre vc pedir o roth. mas enfim…ela ta inventando demais. Técnico tem que inventar quando ja tem um esquema..que os jogadores entendem..ele entende.. e ai uma alteração que encaixa pra determinado jogo é sim possível. mas num time que falta pouco pra chegar no do mancini. é dificil
        otimo texto
        abraços

        • Camila

          Nossa, esse jogo foi difícil de ver. Triste! Lamentável!