Não deixem Montillo sozinho

Não me deixe só, eu tenho medo do escuro. (Foto: Washington Alves / VIPCOMM)

Olá amigos. Domingo eu fui ao parque e consegui andar de bicicleta pela primeira vez. Sim, eu tenho 25 anos e não sabia andar de bicicleta. Mas antes que você comece a rir, vou lhe contar meu trauma para não ter conseguido me equilibrar na magrela – estou até aprendendo as gírias desse pessoal.

Quando era pequeno, não sei qual idade – aquela em que você anda de bicicleta de rodinhas – sempre me encontrava com uma amiga para pedalar. Nos divertíamos, vivíamos a vida radicalmente. Um belo dia, fui ao encontro dessa minha amiga com minha bicicleta e, para meu espanto, ela estava andando SEM as rodinhas. Ela havia me traído. Aprendeu a andar de bicicleta sem rodinhas antes de mim. Meu mundo caiu. Dei meia volta, humilhado, voltei para a casa e nunca mais encostei numa bicicleta. Até domingo. Dia 29 de julho de 2012 foi um dia especial. Consegui andar de bicicleta.

E você deve estar se perguntando, o que essa merda de história tem a ver com um blog do Cruzeiro? A resposta é: Nada. Mas pode servir como um exemplo de superação, e sei que Celso Roth os está usando para inspirar os jogadores. Então estou compartilhando minha bela história de vida para ser usada. Se fizer com que os jogadores atuem tão bem quanto contra o Palmeiras, já está valendo.

Nosso técnico, além de mostrar vídeos motivacionais por ai, está falando sobre o bom rendimento do Montillo no jogo contra o Palmeiras:

“Grande ponto do Montillo é que, centralizado, todo mundo marca individualmente, pela capacidade de drible que ele tem. Pelo lado, sabíamos que causaria dúvida na marcação. Quando tiramos o jogador para uma função tática de marcar a passagem do lateral e sair num espaço vazio, isso desmonta qualquer esquema. O treinador pode armar qualquer esquema, mas a vitória pessoal desmonta tudo. Junto com velocidade do Wallyson, presença do Borges, e chegada do Tinga, o time se complementou, encaixou. Vamos ver se repetimos no próximo final de semana.”

A análise é quase perfeita. Só não sei se concordo muito bem com o ponto de Montillo se ver livre dos marcadores por jogar no lado do campo. Contra o Palmeiras foi assim, pois o time deles estava muito desfalcado e era ruim. O jogador que devia marcar o Montillo nunca o fazia, e deixava nosso craque mano a mano com o inexperiente lateral palmeirense, que nada conseguiu fazer para para-lo. Se um time colocar alguém para marcar Montillo, mesmo na lateral, ele estará acompanhado. Não sei se é uma questão do local em que ele joga.

Eu acho que Montillo precisa de outros jogadores para dividir a marcação. Precisa de mais movimentação ofensiva e precisa de jogadores para abastecer no ataque. Com Wellington Paulista e Borges lá na frente, o time ficava muito estático e era presa fácil para os marcadores. Além disso, Wellingol se embolava com o argentino, e mais atrapalhava que ajudava. Com a entrada de Wallyson, nós ganhamos em velocidade, posicionamento, movimentação e inteligência. É assim que o time deve jogar. Só esperamos que Wallyson possa repetir essa atuação contra times mais fortes.

Além disso, Tinga foi bem na partida de domingo. Participou de muitas jogadas ofensivas, conduzia a bola, ajudava Montillo a atacar. Como Roger fazia antigamente, quando queria jogar, só que com muito mais velocidade.

Montillo não estava jogando bem ultimamente porque tinha que fazer tudo sozinho. A bola não chegava lá na frente. E quando parava em seus pés, o craque argentino via um ataque embolado com dois centroavantes disputando o mesmo espaço e não tinha o que fazer. Ninguém aparecia para ajudar.

Agora, com o time começando a se entrosar, com Roth vendo onde cada um rende mais, com um centroavante que não erra gol e um outro atacante que sabe jogar, Montillo tem tudo para voltar a ser o melhor meia do Brasil e – com a ausência de Neymar que disputa os jogos olímpicos – o melhor jogador do campeonato. É só não ficar sozinho.

Autor do post:
Michael Renzetti

Deixe seu comentário

(Obrigatório)
(Obrigatório, Não será publicado)
Notificar por e-mail

4 Comentários

  • João

    Por isso falo cara, mulher é foda. Belo texto!

    • Bernardo Pereira Moreira

      A melhora no rendimento dele foi significativa…
      resta saber se continuará nos proximos jogos..! mas o esquema é esse mesmo..

      • Guilherme

        E ouvi gente dizer aqui, que o Cruzeiro fez grande negocio em dispensar o Roger! Como no titulo “VAI E NÃO VOLTE MAIS”, è duro um cara que não sabe porra nenhuma de futebol, muito menos esquema tático! Agora se diverte ae, e aproveita bastante o tal do SOUZA, que nada acrecenta!

        • Camila

          O Roth foi em nesse esquema, só que, penso eu… algo me diz lá no fundo do meu coração… que ele vai querer voltar com WP9 no time. Tomara que eu esteja errada.