Não precisava nem ter ido a Curitiba [Coritiba 4 x 0 Cruzeiro – Brasileirão 2012]

"Cadê a cautela, guri?" (Foto: Washington Alves/VIPCOMM)

E aí, tudo azul?

O Cruzeiro já teve atuações ruins, péssimas, horríveis – quem não se lembra daquele 5×1 sofrido contra o Flamengo no Brasileiro de 2011? – e a atuação contra o Coritiba, no Couto Pereira, neste domingo, pela décima oitava rodada do Campeonato Brasileiro. Quando se perde de 4×0, não existe nenhuma apelação, não existe argumento, não existe desculpa. Existe apenas a vergonha e a caricatura de time que entrou em campo.

Não adianta eu e todos os outros blogueiros da Geral tentarmos explicar o que tem de errado – até porque o clube tem marketing, assessoria de imprensa e mil outros departamentos para cumprir tal tarefa -, o que tem que ser corrigido. Isso é obrigação da comissão técnica, do presidente Gilvan Velha Surda e de toda a diretoria.

A falta de elenco do Cruzeiro começou lá em janeiro, com essa insanidade de montar um time para o Rural e, se algo desse errado, desmontar tudo e montar outro antes da disputa do Brasileiro. Um pensamento digno de Grêmio Prudente, Ipatinga, América de Natal e outros quando, milagrosamente, conseguem chegar à Primeira Divisão.

E o Cruzeiro foi esfacelado enfrentar o Coritiba – que também estava bem desfalcado. Não vou usar este argumento do time quebrado para justificar o vexame, mas sempre é bom lembrar que o time tem apenas titulares, não tem reservas à altura. A formação inicial foi Fábio, Ceará, Thiago Carvalho, Rafael Donato e Diego Renan; Sandro Silva, Lucas Silva, Marcelo Oliveira e Souza; Fabinho e WP.

Não estava tão ruim no início, até o Coritiba fazer um gol em sua jogada mais letal, a bola parada. Em momentos geniais do sistema defensivo, o Cruzeiro fez todas as faltas possíveis para sofrer o 1×0 com Lucas Mendes. Ainda escapamos de tomar o segundo gol logo em seguida, em uma falta cobrada pelo Ayrton. Mas ele acertou a cobrança seguinte e deixou o placar em 2×0 para os paranaenses. O primeiro tempo acabou, com o Cruzeiro não acertando absolutamente nada.

Voltamos para o segundo tempo com duas alterações, que não serviram para merda nenhuma. O Lucas Silva saiu para a entrada do Tinga e o Wallyson entrou no lugar do Diego Renan. E tomamos o terceiro logo no início, pelos pés do Roberto. O time não se encontrava em campo e o Anderson Aquino fez o quarto gol, decretando a goleada.

Não adianta voltarmos a mil clichês sobre o Cruzeiro, existem jogadores que nem deveriam passar na porta de um campo de várzea, quiçá jogar no Cruzeiro. É o caso de pernetas como o Sandro Silva. Ele entra e consegue avacalhar o jogo inteiro, mesmo não sendo o pior dos jogadores que já passaram pelo Cruzeiro. Não há uma partida que ele entre e tudo fique normal. Houve um lance que ele trombou no Souza, catou cavaco, fez a falta no adversário – lance este que originou o segundo gol do Coritiba -, e só não conseguiu ser mais ridículo porque não havia espaço.

O Marcelo Oliveira é outro que nem para compor elenco serve. Além de ser horroroso, ele ainda tenta enfeitar as jogadas. Teve um lance no segundo tempo, com o time tomando de 3×0 que ele tentou dar dois chapéus nos marcadores do Coritiba que foi digno de pena. Quanto aos Fabinhos, Wellingtons Paulistas da vida – sim, a minha paciência com o Wellingol acabou -, bom, é chover no molhado, né? Neste caso, quem está mais errado é quem contrata. As críticas devem ser direcionadas à diretoria fraca que estava lá com o Perrella e parece que não estava no Cruzeiro, que começou a mexer com futebol na semana passada.

Mas o que mais me revolta é quem tem condições de fazer uma ou outra coisa em campo, como Wallyson, Tinga e Souza. Eles poderiam pelo menos ter demonstrado um pouco de vontade, mas simplesmente entraram na roda da ruindade e da omissão. Não levantam a voz com os demais, não tentam fazer nada e se acomodam com o time levando 3, 4 gols para um time que até ontem estava na zona de rebaixamento.

Continuo batendo na tecla que conseguiremos uma vaga na Copa Sula Miranda “Rainha dos Caminheiros”. Risco de rebaixamento só se fizermos um segundo turno tão ruim como o de 2011. Para as pretensões que o Cruzeiro deveria ter e que nós todos temos, é muito pouco. Mas para as pretensões da atual diretoria, está excelente. Quanto ao Roth, sei lá. Se ele quiser sair, que vá embora, se quiser ficar, que fique. Não mudaria nada uma saída antes do clássico. É culpado, mas o principal culpado se chama Gilvan de Pinho Tavares.

O resultado realmente é preocupante, ainda mais com um clássico batendo à porta e com o Atlético na melhor fase desde 1971. Só que não vamos abandonar o Cruzeiro agora, certo? Vamos apoiar e vamos acreditar na vitória sim. Se não acreditarmos na vitória, quem vai acreditar? Nós podemos vencer e bem o Atlético. Só que precisamos fazer a melhor atuação do Campeonato, talvez do ano inteiro.  Vamos esgotar os ingressos, vamos cantar o tempo inteiro e não vamos vaiar. Quem é meu parceiro nessa?

Essa vitória seria a melhor de clássico nos últimos anos. Tão interessante como qualquer 5×0 ou 6×1 que tenhamos feito anteriormente. Que tal, hein?

Uma excelente semana a todos – tudo bem, eu sei que é muito difícil ter uma semana excelente depois deste jogo vergonhoso.

Vamos, Cruzeiro!


Autor do post:
Pedro Oliveira

Deixe seu comentário

(Obrigatório)
(Obrigatório, Não será publicado)
Notificar por e-mail

4 Comentários

  • Éden

    Foi horrivel.

    Eu nem coloco tanta culpa no Celso Roth porque dentro de campo os jogadores é que precisam mostrar algo

    Quem dera se o tecnico fosse o maior problema, mas é muito além disso. Jogadores fraquissimos sem condições de jogar no Cruzeiro

  • Éden

    E nós estamos deixando algumas coisas passarem

    Diretoria errou demais no 1º semestre. Vexames no mineiro e Copa do Brasil, foi patético

    Gilvan deixou tudo em cima do Alexandre Mattos

    A diretoria não demonstra comando. Nessas horas difíceis eles somem.

    Isso que me preocupa, esse “abandono”