O dia em que Alex parou Belo Horizonte

A torcida lotou a Praça Sete e tomou o Centro de Belo Horizonte com o coro de "Volta Alex!" (Crédito: Divulgação Twitter)

E aí, tudo azul?

Milhares – sim, milhares – de cruzeirenses foram às ruas de Belo Horizonte pedir a volta do ídolo Alex, um símbolo na conquista da Tríplice Coroa. E nós estivemos lá acompanhando a manifestação que surgiu entre nas redes sociais, por iniciativa de vários portais celestes, como o Guerreiro dos Gramados, o Bloguerreiro, o Azul Estrelado e até pela Geral do Cruzeiro!

Muita gente estava descrente. Me lembro que comentei com o meu pai, um cruzeirense bem antigo, dos tempos que jogávamos no Barro Preto e ele não acreditava que uma campanha iniciada pela internet chegaria a mais de 100 pessoas. Da nossa torcida eu nunca duvido e nem do poder das redes sociais. Eu sabia que teríamos umas 300, 400 pessoas presentes, até pelo horário, por ser uma segunda-feira, 19 horas, a cidade com muito trânsito, muita gente tendo que se deslocar de lugares distantes e outras variáveis.

Mas a torcida deu um show, compareceu em um número incrível, levou suas faixas, cartazes, bandeiras, camisas, sinalizadores, bateria e até bombas. Alguns estavam até de terno e gravata recém-saídos de seus ambientes de trabalho. O que importava era a intenção, a paixão, a união de todos em busca do mesmo ideal, a volta do nosso ídolo Alex. Claro, a manifestação acabou ganhando outros ingredientes, como as críticas ao Gilvan Velha Surda e os pedidos para a saída imediata do Celso Juarez.

E após essa manifestação, se eu fosse o Alex, ficaria extremamente inclinado a voltar para o Cruzeiro. A não ser que as torcidas do Palmeiras e do Coritiba façam coisas melhores – o que acho praticamente impossível com os dois já sendo adicionados pelo Fantasma do Rebaixamento no Facebook e com ações do tipo não sendo mais inéditas.

Acredito que ele volta, e volta sendo recebido por ainda mais torcedores no Aeroporto de Longins. Enfim, a festa foi incrível, mais de mil cruzeirenses tomaram a Praça Sete e depois foram em uma procissão de amor pelo Cruzeiro até a sede administrativa do Barro Preto. Foi muito bacana, tudo muito lindo, tudo muito feliz. A minha voz sumiu e acredito que a voz de todos que estavam lá também foi para o espaço.

O mais legal era ver que todo mundo nas ruas parava para nos ver passando. Acho, acho não, tenho certeza que foi algo inédito em Belo Horizonte. Algumas frangas nos provocavam dos prédios, outras buzinavam de seus carros ou saíam em suas varandas com camisas do Cruzeiro para fazer parte dessa história.

Claro que não era possível que todos os cruzeirenses da cidade, do país e até do mundo pudessem ir à manifestação. Mas tenho certeza que todos se fizeram presentes toda vez que puxávamos algum grito, que cantávamos o hino ou que pedíamos para o Alex voltar.

Essa campanha para ele voltar não significa apenas o retorno de um jogador que ganhou títulos no Cruzeiro. É uma forma de gratidão por tudo que ele fez por nós, por levar nosso nome ao mundo sempre, por ter retornado em 2002 após uma temporada fracassada em 2001, culminando com uma dispensa – o que ainda torna a relação Alex/Cruzeiro ainda mais fantástica.

Me lembro como se fosse hoje do dia que o Alex voltou ao Cruzeiro pela primeira vez. Era uma quinta-feira de 2002, o Campeonato Brasileiro estava na metade e a estreia do Rondinelli, um lateral-esquerdo tosco vindo do Americano de Campos dos Goytacazes – puta que pariu! –, era a nossa maior esperança para o resto da competição.

Anunciaram a volta do Alex e muita gente questionou esta atitude da diretoria e do então treinador Vanderlei Luxemburgo. Fui favorável porque ele trazia algo que faltava o time naquele momento e todos nós sabemos qual foi o desfecho desta parceria. Foi melhor para todos!

Por isso, tomo a liberdade de pedir ao Alex que volte mais uma vez em nome de oito milhões de pessoas. Não somente para retribuir o carinho da torcida, mas para selar essa parceria de enorme sucesso entre um excelente jogador, um clube respeitado em todo o mundo e uma nação apaixonada.

Muitos falam que o Alex pode vir como o Juninho Pernambucano e não ser o mesmo de 2003. Pouco me importa, se ele der meia dúzia de passes geniais e fazer uns três ou quatro gols de falta, eu já sou uma das pessoas mais felizes do mundo só por ele ter voltado a vestir a 10 do Cruzeiro.

Eu, Pedro, ficaria extremamente feliz com isso. E já estou extremamente feliz ao ver que a nossa torcida fez uma festa incrível mesmo com o time sem vencer há 7 jogos, com o presidente sendo contestado, com o treinador sendo mais odiado que a Carminha e com o elenco sendo mais rejeitado que vários candidatos pelo país.

(Você foi à manifestação? Queria ter ido? Concorda? Discorda? O que pensa? Diga nos comentários e me faça muito feliz!)

Vamos, Cruzeiro!

Autor do post:
Pedro Oliveira

Deixe seu comentário

(Obrigatório)
(Obrigatório, Não será publicado)
Notificar por e-mail

4 Comentários

  • Waliston

    O Cruzeiro mecere a paixão da torcida por tudo que fez por nós!!!! Uns dos maiores clubes da América deve ser reconhecido pela China!
    Senti orgulho em ver essa manisfestação, queria ter feita parte disso, pena que estava estudando, mas enfim, alex vai voltar tenho certeza disso e vamos buscá-lo com e traze-lo nos braços como ídolo que merece ser!!!! Vamos Cruzeiro!!!! ” Que nossas glórias sejam exemplo para o Mundo”

    • Vinícius

      Se eu morasse em BH com certeza teria ido. Fico mto feliz com tantos torcedores saindo às ruas para mostrar ao Alex o quanto ele é desejado por aqui hehe…

      Só uma coisa, essa parte não ficou legal:

      “Algumas frangas nos provocavam dos prédios, outras buzinavam de seus carros ou saíam em suas varandas com camisas do Cruzeiro para fazer parte dessa história.”

      As frangas também buzinavam de seus carros e saíam em suas varandas com a camisa do Cruzeiro? Será? rss

      Sds azul celestes…

      • FELIPE SCHNEIDER

        Infelizmente não moro em MG. Senão certamente teria ido! Tô confiante da volta do Talento! #VoltaALEX

        • Pedro

          Na semana passada me empolguei com a ideia da manifestação, depois do jogo de Sábado comecei a repensar minha presença. Mas durante o dia, acompanhando a movimentação nas redes sociais, não consegui me segurar e não me arrependi nem por um minuto. Subindo a Av. Amazonas já dava para perceber a intensidade do movimento. Logo me contagiei pela energia positiva e o esforço coletivo por um sentimento: Cruzeiro!. Foi emocionante e espero que isso se repita no dia que ele pisar em BH!