O novo Cruzeiro: Ame-o ou deixe-o

Me ama cara, eu sou o Montillo.

Olá amigos, como é bom estar aqui com vocês novamente. Isso significa que estou vivo para aproveitar a grandiosa liderança de nossa equipe no campeonato brasileiro. Mesmo que precipitada, temporária, estranha, é uma bela liderança, adquirida numa partida em que zoamos a cara do Vasco em seus próprios domínios. Não me lembro de nenhuma jogada de perigo deles além do ridículo gol de cabeça. E isso, meus amigos, mostra que estamos no caminho certo. Pode não ser o caminho mais bonito, o caminho mais vistoso, pode não ser o jeito Barcelona de se fazer as coisas, mas é um caminho.

E é em cima disso que quero conversar com vocês. Posso tomar alguns minutinhos de seu precioso tempo?

Estava assistindo o jogo do Cruzeiro no Pay-Per-View, MAS NÃO COMO FÁBIO ME SUGERIU A FAZER, e escrevendo besteiras no twitter. Gostava do time em campo, mesmo sem atacar muito e deixando o Vasco tomar as ações, ficar com a bola. Pra mim, era uma boa estratégia contra o ex-Líder do campeonato e vice-campeão do torneio no ano anterior (dentre outros vice-campeonatos conquistados pela equipe cruz-maltina). Mas percebia uma loucura twittica – acabei de inventar essa palavra – com relação à falta de futebol do Cruzeiro. Não podia acreditar em meus olhos (nossa, acho que exagerei na dramaticidade da parada), me certifiquei que estava no canal certo, pois certamente estava assistindo a um jogo diferente do que o resto do pessoal. Achava que a postura do Cruzeiro era impecável, já conseguia enxergar um molde do São Paulo tricampeão brasileiro, a cautela de Celso Roth estava linda de se ver.

Todo mundo marcando, o Vasco não conseguia entrar na área, TODOS, vou repetir, TODOS os DEZ chutes que eles deram a gol no primeiro tempo, foram errados. Fábio não precisou fazer UMA ÚNICA defesa no primeiro tempo. E isso, meus amigos, é a maior representação de um futebol defensivo e/ou tático bem jogado.

Mas eu entendo esse torcedor. Ele é um daqueles iludidos que acha que só joga bem quem ataca muito, tem um time leve e goleador. Que faz 10 gols num jogo, mas leva 11, ou 9, ou 8. Isso é que é futebol bonito, bola na rede. Mesmo que as defesas sejam peneiras, que qualquer atacante consiga entrar sozinho na área, o legal é o gol. Esse cara deve adorar peladas de domingo, com aqueles lindos placares de 15 a 13 pro time menos bêbado.

Mas eu não quero educar esse cara, não quero lhe fazer entender que futebol é coletivo, que a defesa é uma parte muito importante do jogo, e que se ninguém cometer nenhum erro lá atrás, nenhuma bola entra e seu time vence. É simples, mas tem gente que não entende. O que quero fazer é pedir uma coisa para vocês. Pedir para deixarem o time jogar e não reclamarem de tudo. Não estou pedindo para que apoiem o time a todo o momento, que relevem tudo de errado e continuem batendo palmas para as besteiras. Mas peço para que tenham paciência.

Uma das coisas que mais me enche o saco no futebol é torcida que vaia o time no meio de jogo. E gente que grita nome de jogador reserva pra substituir alguém que está mal. Será que as pessoas acham que estão ajudando alguém naquele momento? O técnico enxerga muito mais que você, sabe o que fazer se algum jogador estiver mal. O que você está fazendo ao gritar o nome de alguém que está no banco é deixar o cara em campo desconcertado, sem confiança para exercer seu trabalho. Eu sei que ele deve ser mais forte que isso e não se importar com a torcida, mas a maioria dos jogadores se chateia com esse tipo de coisa. É por isso que o grande Wellingol anda comemorando suas pinturas daquela maneira agressiva. É chato ser constantemente lembrado que ninguém gosta de você.

No nosso primeiro e único – até agora – jogo no novo Independência, parte da torcida vaiou o time quando fomos para o intervalo. Fiquei impressionado pela falta de paciência. Não jogávamos bem, ok, mas estávamos empatando o jogo contra um time bem arrumado, nervosos por voltar a disputar uma partida em Belo Horizonte.

Para o Independência ser um caldeirão, uma força a mais, precisamos parar com essas vaias, essa falta de paciência, essa besteira de querer que joguemos como o Barcelona todas as partidas. Esse é o novo Cruzeiro, ame-o ou deixe-o.

Autor do post:
Michael Renzetti

Deixe seu comentário

(Obrigatório)
(Obrigatório, Não será publicado)
Notificar por e-mail

5 Comentários

  • Bruno

    Michel,
    Aassinstindo o jogo tive a mesma lembrança que você teve do São Paulo do Muricy. E confesso que pensei que se jogar o campeonato todo assim não tem pra ninguém! (Sei que é sonhar, mas sou acostumado a ganhar, fazer o que…)
    O Chelsea jogou desse jeito na Champions e levou o caneco.O Corinthians jogou assim contra um Santos que joga um “futibol buniiiito” e foi pra final da Libertadores. Futebol hoje é isso aí… se não tem muita habilidade, joga na estratégia!

    • bernardomintira

      Eu amo!

      • Paulo

        Não faltou uma palavra, excelente texto, eu também sempre pensei igual você.
        Claro que ser campeão jogando bonito é muito melhor que jogando feio, tanto isso que o título brasileiro do cruzeiro de 2003 é mais lembrado do que os títulos do são paulo ganhos 3 anos seguidos, mais como nosso elenco não está mais aquela coisa, se ganharmos o título o título vai ser tido como um título de raça, um título inédito, vai ser como o primeiro título cruzeirense vai ter um sabor especial, pois o time é limitado + nunca vi tanta raça igual a que o cruzeiro está jogando. VAMOS CRUZEIRO CALAR A BOCA DESSES JORNALISTAS DO EIXO RIO SÃO PAULO E SER CAMPEÃO!

        • Camila

          Oun, foi tão fofinho e dramático esse texto, quase chorei -nnnn
          KKKKKKKKKKKKKKK
          Mas eu concordo. Tem hora que o time só precisa de alguém pra incentivar quando não estiver tão bom, porque é aí que vai surgir aquele gás lá do fundo pra fazer ele correr e vencer na raça.

          Gritar por amores e dois segundos depois começar a vaiar é tão coisa de pateticano, porque eles fazem exatamente isto. Por isso o time deles é uma piada, sempre.

          Hora de reclamar e cobrar é depois do jogo, na hora do jogo tem que apoiar!

          • Douglas

            Muito bom texto Michael Renzetti! eu acho que deveriam existir mais torcedores como você por que o time vem vindo muito bem e evoluindo a cada jogo mais como que você disse! “Temos que ter paciência”