Planejamento Nota Zero

Sabe o que mudou do dia que passamos apertados pela Chapecoense na Copa do Brasil até hoje? Nada, apenas a aposentadoria da Arena do Jacaré! (Foto: Washington Alves/VIPCOMM)

E aí, tudo azul?

Com chances praticamente mínimas de rebaixamento ou de classificação para a Libertadores de 2013, sem chance alguma de ser campeão brasileiro e habitando a zona morta da competição, já podemos dizer com tranquilidade que este foi um ano completamente perdido. Até porque não fizemos uma campanha nem razoável na Copa do Brasil e nem à final do Rural chegamos.

E após jogarmos – claro, a responsabilidade não é só do Gilvan Velha Surda – este ano fora, vamos fazer uma linha do tempo de tudo que aconteceu de certo e de errado desde janeiro até o presente momento.

O time já começou errado. A manutenção do Mancini, por mais que ele não tenha sido rebaixado com o time, era como qualquer um dos quadros do finado Jackass, você sabe que vai dar merda a qualquer momento. As contratações também eram de qualidade duvidosa e me falaram um dia que os reforços contratados seriam os mesmos se tivéssemos sido rebaixados. Tendo em vista que muitos deles já não estão mais no Cruzeiro, eu não duvido.

Ao me lembrar da chegada daqueles jogadores, fica impossível não associar estas contratações de qualidade duvidosa ao que o Atlético de Lourdes fazia na época do Ziza Valadares. Sempre fazíamos piadas, achávamos graça ao vermos Tesser e afins sendo apresentados, mas o Rudnei e o Fábio Lopes estão exatamente no mesmo nível.

Quando a própria diretoria admitiu que a ideia era montar um time para o primeiro semestre e que o segundo semestre teria outra equipe, me senti torcendo para um Grêmio Itinerante da vida. Claro, porque este pensamento é totalmente compatível com times-golfinhos, que sobem, fazem uma graça na Primeira Divisão e voltam imediatamente para a Segundona. Se era para apostar em Rudnei, Bobô, Fábio Lopes, por que não apostaram na base?

Usaram a desculpa da falta de dinheiro para montar um elenco tão fraco, mas gastaram mais dinheiro ainda trazendo e mandando embora estes cones. Falando em falta de dinheiro, o ano começou patético com a carta do elenco para a diretoria, a respeito dos salários atrasados.

O inimigo público nº 1 da torcida do Cruzeiro durante 2011, também conhecido como Dimas Fonseca, saiu do clube antes da primeira partida. Ali já era de se prever como seria a gestão da atual diretoria, só mudaria alguma coisa no time sob pressão. Pode parecer um devaneio meu, mas o Roth só sai quando o time voltar a jogar em Belo Horizonte.

Enfim, voltando ao primeiro semestre, o Mancini foi se segurando no cargo apenas pelo baixo nível técnico dos adversários. E olha que ele conseguiu perder para o Guarani na estreia e para o América no primeiro amistoso. Só que deu muita sorte – sorte do nosso rival local ser o time mais amarelão do mundo – no primeiro clássico no ano, tinha tudo para perder aquele jogo.

O Wellington Paulista era o principal jogador do time e tinha quem pedisse o Walterror – cover do George Foreman – no time titular. Até concordo que ele tenha qualidade, mas ele visivelmente não queria se dedicar aqui.

Passamos pela Chapecoense na Copa do Brasil, que é um dos melhores times da Série C. Isso não quer dizer absolutamente nada, só fizemos a nossa obrigação, mas o aperto nos dois jogos nos fez mostrar que o Mancini já estava fazendo hora extra no Cruzeiro. E isso só se agravou com o time sendo pateticamente eliminado pelo América no Mineiro.

O Cruzeiro não só perdeu, mas foi completamente envolvido nos dois jogos e o Mancini tinha que ter saído assim que foi eliminado na semifinal do Rural. Não saiu naquele momento e só foi embora ao perder aqui e lá para o péssimo Atlético-PR da Segunda Divisão na Copa do Brasil.

Um fato curioso é que começamos o Brasileiro tendo perdido apenas para times de divisões inferiores. E começamos com o Roth que, para aquele momento, era o melhor treinador que tinha. O Adilson tem sua história no Cruzeiro – não vou entrar no mérito se foi bom ou ruim , eu não gostava do trabalho dele-, mas pegar o time naquela situação poderia ser ruim para a sua imagem.

E, com o time sendo remontado, o Cruzeiro até começou bem o Brasileirão. Quem diria que íamos chegar a liderar o campeonato, mesmo que fosse por uma rodada? Os “especialistas” do futebol – alguns não são especialistas em merda nenhuma – nos apontavam como candidatos ao rebaixamento.

Muita gente foi embora. Marcos, Walter, Fábio Lopes, Rudnei, Amaral, Bobô, Gilson, Cribari e mais alguém que deve ser tão inútil que eu me esqueci dele.

Fomos fazendo uma campanha irregular, com alguns jogos bons, outros ruins e chegamos aqui, na zona dos ex-BBBs esquecidos, aquela região do 7º ao 13º lugar. O nosso campeonato não tem o menor destaque, a não ser que envolva algum time que está na briga pelo título ou contra a queda.

Fizemos algumas partidas boas. Vasco, São Paulo, Botafogo, Fluminense e Atlético no primeiro turno e a vitória contra o Náutico no segundo turno. Outras completamente deprimentes. Grêmio, Coritiba e Ponte Preta no primeiro turno. Sport, Botafogo e Figueirense no segundo.

A demissão do Roth seria positiva, mas se for trazer um treinador estilo Adilson, Kleina e outros, tem que ficar para montar o elenco de 2013. Caso contrário, se estão esperando o Sampaoli – não sou a favor, pode ser bom treinador e tal, mas tem que ver se ele conhece bem o futebol brasileiro – ou algum outro que tenha compromisso até o final do ano, demite o Roth só em um caso extraordinário mesmo.

No mais, devemos terminar o Brasileiro na mesma zona morta onde estamos. Seria interessante que mais jogadores da base entrassem, para vermos quais teriam espaço no planejamento a ser montado visando o ano que vem. O que é muito pouco para a nossas ambições.

Claro, não vou apenas criticar a diretoria. Acertaram ao colocar o Alexandre Mattos como diretor de futebol, tentaram fazer algumas boas contratações como o Borges, o Souza, o Tinga e o Alex Silva. Quanto ao Alex, fica a dúvida se após a lesão ele fica no Cruzeiro por um tempo ou volta para o Flamengo, seria bom que ficasse.

E temos um esqueleto de time, não é nada de primeira linha, mas já dá para manter uma base pensando em 2013. Não se pode implodir este time, tinham que ter implodido o de 2011 que quase foi rebaixado. O Martinuccio até agora está bem, os zagueiros precisam de um bom treinamento e o Ceará pode parar de machucar com uma boa pré-temporada.

Só ficam as críticas ao Gilvan, por ainda não ter se encontrado como presidente, e ao restante da diretoria por não ter pensado grande desde o início do ano.

O Cruzeiro tem que ter um time para brigar pelo título brasileiro todo ano. E a briga pelo título brasileiro começa é no estadual, na montagem de um bom elenco. O Grêmio é um exemplo disso, tinha um elenco bom desde o início do ano e apenas supriu as carências com o Elano e com o Zé Roberto durante a competição.

Claro que queremos o melhor para o Cruzeiro. E isso passa pelo balanço de erros e acertos durante a temporada. Para não erramos mais uma vez – ouviu, Gilvan? – e para aproveitarmos as coisas boas.

Que venham coisas melhores em 2013. E que tenhamos um planejamento nota dez!

(O que você acha? Concorda? Discorda?)

Vamos, Cruzeiro!

Autor do post:
Pedro Oliveira

Deixe seu comentário

(Obrigatório)
(Obrigatório, Não será publicado)
Notificar por e-mail

2 Comentários

  • Wanderson

    Olha cara concordo em gênero, numero e grua. Principalmente com a inserção da garotado agora para ver quem vinga ou não. sei que a torcida já não esta mais com paciência com o time.

    Não sei se vc concorda mais a base deste time e a mesma que o Adilson Batista criou porém, sem várias peças chaves com o M. Paraná em sua fase boa ou o Fabrício guerreiro do meio de campo sem um lateral direito como o Jhonatan ou o próprio Diego Renam em boa fase.

    Acredito que já passou da hora de mudar, mandar algum para outros times outros saírem de vez subir alguém. No mais boa cronica disse tudo.

    • Pedro Oliveira

      Velho, muito obrigado e sim, concordo com você sim quanto ao Adilson ter esboçado um estilo de elenco, que foi mantido na “era Cuca” e que mudou pouco de 2011 para 2012!