Tabu e ilusão com o G-4 em jogo [São Paulo x Cruzeiro – Brasileirão 2012]

O Cruzeiro vem de quatro jogos sem saber o que é levar vantagem sobre os adversários, mesmo tendo enfrentado oponentes como Botafogo e Sport (times ruins que não nos venceriam em hipótese alguma se não contassem com os craques Seedorf e RITHELY). Como nada é tão ruim que não possa piorar, o rival desse fim de semana é o São Paulo. Ou seja, é mais fácil tirar onda andando de Fiorino do que não completarmos cinco jogos sem vencer, já que o Cruzeiro afina para o São Paulo. Não há motivo para esconder isso de ninguém porque é fato comprovado. Nos últimos oito anos, só vencemos o São Paulo uma vez, nas quartas de final da Libertadores’2009.

Eu desanimei do nosso time na derrota de virada que sofremos do Botafogo Seedorf no Independência. Aquele era o jogo-chave para o Cruzeiro mostrar que tomaria posse da vaga da Libertadores que está sem dono. Mas os Roth Boys arregaram para o Botafogo. Quem arrega para o Botafogo? Só o Atlético Mineiro. Obviamente, perder em casa para o Botafogo destrói qualquer arrancada. Acho que por isso o time voltou a se desconcentrar e as derrotas para Sport e Figueirense foram consequências desse vacilo. Já o empate contra o Vasco não pode se dizer que foi um resultado ruim, a não ser porque aumentou a série sem vitória para quatro jogos.

Porém, volto a acreditar no Cruzeiro se ele vencer o São Paulo nesse domingo (risos) e o Internacional no próximo sábado. São Paulo e Internacional são dois concorrentes diretos do Cruzeirão na DISPUTA DE QUEM NÃO QUER IR PARA A LIBERTADORES. Convenhamos que ambos os times têm campanhas tão irregulares quanto a do Cruzeiro e também não aproveitaram os muitos deslizes que o Vasco deu para alcançar o quarto lugar. Vencendo os tricolores e os colorados, o time celeste pode sim voltar a nos iludir com a chance de alcançar uma vaga no G-4, mas nada que a realidade não venha em seguida e destrua, pois entramos no Brasileirão’2012 com o objetivo de terminar em sétimo lugar, o que explica tudo que está acontecendo. Mas se continuarmos sem vencer diante de São Paulo e Inter, só restará ao Cruzeiro entregar o jogo seguinte contra o Grêmio para prejudicar o Atlético, demitir Celso Roth e pensar no ano que vem.

Para buscar a vitória no Morumbiba, temos a volta de Borges, este que é um dos maiores responsáveis por esse tabu de não vencermos o São Paulo. Que ele pague esse débito que tem conosco metendo um gol entre as canetas de Rogério Sênior. Roth disse estar na dúvida se coloca Borges de titular porque ele não joga há mais de quinze dias, mas não é possível que ele vai preferir o Wellington Paulista, que só fez uma coisa boa nos últimos jogos: Enfiar o dedo na cara do Fernando Prass quando ele quis tirar onda em cima da gente em Varginha. Montillo também foi dúvida durante a semana porque ele voltou da seleção argentina com dores musculares. Inclusive havia a possibilidade da Argentina nos ressarcir esse dano enviando Messi para substituir Montillo nesse jogo, porém o Pirata Azul se recuperou e vai para o jogo. E Montillo vai no lugar de Wallyson. Souza entra no time como meia de ligação. É até compreensível o Cruzeiro só com um atacante de ofício pelo fato do Wellington Paulista e do Wallyson não virem bem.

Quanto aos desfalques, temos a importante ausência de Éverton, suspenso. Nunca pensei que lamentaria a ausência dele. O nosso SORÍN MARANGUAPENSE tem sido o melhor jogador do Cruzeiro, o que diz muita coisa sobre o momento do nosso time. Seu substituto será Diego Renan, que é o maior lateral brasileiro desde Roberto Carlos segundo o presidente Gilvan. Outro suspenso para este jogo é Leandro Guerreiro, que será substituído por Marcelo Oliveira (claro que vai dar merda). Temos mais dois desfalques na defesa por contusão: Ceará apareceu contra o Vasco só pra matar a saudade e se machucou de novo, no tornozelo do pé direito, e Mateus teve uma lesão muscular durante os treinamentos da semana. Então, Léo vai improvisado mais uma vez na lateral-direita e Victorino volta a aparecer no time titular para jogar ao lado de Thiago Carvalho. Até aprovo a volta do Victorino porque os balões do Rafael Donato e do Mateus têm me feito mais raiva do que o Victorino assistindo o ataque adversário.

O São Paulo do Ney Franco, técnico criado na base do Cruzeiro e que não foi bem aproveitado como deveria ter sido, escala um time bem ofensivo, com dois laterais e um volante que apoiam muito, Jadson de camisa 10, Lucas e Osvaldo nas pontas e Luís Fabiano mais à frente. O artilheiro vesgo tricolor é dúvida porque voltou da seleção brasileira com dores na virilha. Tomara que não jogue. Mas esse time pra frente do São Paulo jogando em casa talvez justifique um pouco o Roth deixar o Cruzeiro mais retrancado e CAUTELOSO.

Assim devemos ver o Cruzeiro enfrentando São Paulo nesse domingo. Se vencer, o Cruzeiro bate um concorrente direto e quebra um tabu de oito anos sem vencer o São Paulo no Brasileirão, e isso pode dar um pouco de moral ao time celeste na reta final do campeonato.

Vamos, Cruzeiro!

Autor do post:
Rafael Igor

Deixe seu comentário

(Obrigatório)
(Obrigatório, Não será publicado)
Notificar por e-mail

1 Comentário

  • fabricio

    Tá no papo (do saopaulo)! Nosso Cruzeiro tem um azar incrível contra o saopaulo…
    Andei pensando que seria uma boa oportunidade para dizer tchau pro celsao e contratar felipao, mas por incrível que pareça, o felipao é hoje uma incógnita!
    Boa sorte pro nosso time azul!