Empates com sabor de derrota

A evolução é nítida, isso é fato, mas ninguém esperava pelos dois empates contra Botafogo e Sport. O por quê disto? Simples, a equipe foi melhor que ambos adversários, só que não conseguiu os três pontos, ou seja, vencer a partida.

Foi frustrante, sem dúvida alguma. Se passar o replay daquela cabeçada do Liedson contra o Fogareu mais umas três vezes a bola entra. Contra o Sport, a equipe chegou a ficar com quatro jogadores extremamente ofensivos em campo, pressinou, bombardiou, mas a bola não entrou.

O empate contra o Botafogo deu até para aceitar, mas contra o Sport ficou engasgado. Foi por incompetência da equipe que o gol não saiu, chutes errados, enfiadas de bola sem objetividade… e na hora do último passe meu amigo, PELO AMOR DE DEUS, os caras se confundem todos, o Negueba então, não sabe o que faz com a bola após executar um drible.

Quanto ao nosso comandante, a ideia de quatro jogadores na frente talvez tenha sido meio suicida, o “Zero vezes campeão brasileiro da série A” quase marcou, e não foi só uma vez não, teve boas chances de ganhar em pleno território rubro-negro. Ficamos sem meio campo e os contra-ataques estavam partindo da zaga direto para o ataque. Isso realmente não pode Dorival, a defesa ficou muito exposta.

Começamos o segundo turno da forma que ninguém esperava, mas paciência, esse ano vai ser assim, com muitos surpresas, afinal, é tudo muito novo. Só não precisa chamar o treinador de burro, não faz sentido algum.

Até o confronto contra o galático, porém, inofensivo Inter.

Negueba: habilidade com pouca produtividade

 

Autor do post:
Rodrigo Ferraz

Deixe seu comentário

(Obrigatório)
(Obrigatório, Não será publicado)
Notificar por e-mail

Seja o primeiro a comentar este post