Mudar para não ficar para trás

Salve macacada.

Para quem achou que hoje o time voltaria com três fáceis pontos pra Campinas, deu para perder algumas ilusões…

O time é péssimo? Não. É ótimo? Também não. Ele é OK. Acertando coisas aqui e ali dá para tocar. Não para vencer – e convencer – o campeonato, deixemos bem claro, mas dá para ir tocando, conseguir uma sulamericana.

O problema principal do time é que falta efetividade.

Hoje por exemplo. Não estiveram horríveis, mas faltou acertar o gol, que.. opa! é o objetivo do jogo. Falta um centro avante, falta um armador. A bola tem que chegar lá na frente para que possamos definir alguma coisa. Quando chegou no Roger foi gol, mas demorou uma vida para chegar… e não temos uma vida para esperar por um gol.

Por exemplo… tem N times que não são nada demais, mas marcam o um gol por partida e numa dessas três pontos são três pontos, independente de mil gols ou não, concordam? De que adianta numa dessas ter um jogo com goelada e depois vários sem nada?

Falta consistência, efitividade.

Assim não pode, assim não dá. (Foto: Alex Silva / Agência Estado)

Ainda dá tempo de aparar as arestas e se acertar para enfrentar o resto do campeonato. O Brasileiro é longo e desde que tudo se acerte o quanto antes temos tempo de sobra para nos dar bem e não ter que ficar no limbo amargando nada, ou pior, tentando ficar longe da zona de rebaixamento.

Foco. Como sempre, precisamos de foco. (e umas contratações também não vão mal).

Autor do post:
Natália Jonas

Deixe seu comentário

(Obrigatório)
(Obrigatório, Não será publicado)
Notificar por e-mail

1 Comentário

  • Steh Mantovani

    Não entendi as mudanças no meio , entrar com Somália e Marcinho? Não que eles tenham ido mal, mas acho que dava pra manter o meio que estava jogando antes…e pq entrar com André Luís se temos o Rildo no banco??
    Enfim, coisa do Tio Kleina, que eu respeito e acredito que saiba o que está fazendo…

    Vamos mudar o que precisa ser mudado enquanto é tempo Ponte Preta…

    Agora estamos diante de jogos bem pedreira, FOCO! É difícil, mas não impossível.