Portuguesa e a calculadora: nascidos um para o outro

Amigos da nau lusitana,

De nada adiantou se refugiar em um local misterioso durante a semana de preparação para o jogo de ontem (local esse que muitos dizem ser o hotel do ex-jogador Oscar em Águas de Lindóia, hospedagem que dizem as más linguas teve que ser interrompida na quinta por conta das várias reservas do feriado…ou seja, anunciam uma coisa e fazem outra porque não tem competência nem pra isso !).

O jogo terminou em 2×2. E olha que a rodada estava perfeita até os 27 minutos do segundo tempo. Lusa fazendo sua parte e o Sport empatando com o Botafogo. Porém, tudo virou em 5 minutos.

Jogamos bem melhor do que nas últimas partidas é verdade, mas o resultado, apesar de ter ocorrido diante do vice-colocado do campeonato, teve um sabor de derrota.

Depois de estar ganhando por 2×0, sofrer o empate em menos de 5 minutos.

Como pode um time profissional levar dois gols idênticos na mesma jogada. Um anulado (pelas câmeras de tv mal anulado). O outro válido.

É bem verdade que Luxemburgo mudou a cara do time do Grêmio ontem, mas o fez porque além de ter material humano, sabe trabalhar como ninguém o emocional de um time. 3 alterações de uma única vez chacoalharam o time gaúcho e os trouxeram de volta pro jogo.

O resto que faltou, o nosso beque central (aquele mesmo que veio como solução para nossa zaga e foi afastado junto com outros 4 durante o Paulistão por deficiência técnica) inteirou !

Falhou nos dois gols do Grêmio.

Aliás, NINGUÉM ve isso e tantas outras coisas que ocorrem pelos lados do Canindé.

Já a muito tempo estamos falando aqui no espaço da Lusa que a coisa ta tomando caminho errado…

E mais uma vez no ano, nos vemos obrigados a usar a calculadora neste campeonato.

Assim como no Paulistão, tínhamos 3 partidas à disputar, onde teríamos que conseguir uma vitória.

Conseguimos um empate em casa contra o bravo e retumbante Linense (naquela falha antológica do Calaça) e duas derrotas (Santos e Mirassol).

Assim como no Paulista, agora dependemos apenas de nossas forças.

E sinceramente, esse é o meu maior medo !

Quem assistiu a partida de ontem, viu que nossos jogadores mais uma vez atuaram nervosos, pressionados, desunidos e saíram de campo cabisbaixos e assustados como uma criança que acaba de bater de frente com o bicho papão em seus tempos áureos.

Restam duas partidas.

Infelizmente, a PORTUGUESA que se colocou nessa situação.

Sem vencer à 8 rodadas (ocasião onde tínhamos 10 pontos sobre o Sport), agora temos o Sport na crescente jogando com o embalo e força de seu torcedor.

Só quem pode manter a PORTUGUESA na primeira divisão, são os homens que lá estão. Diretoria, comissão técnica, jogadores. Eles tem que arrumar um meio de manter que isso ocorra.

Não fizeram a lição de casa, que vão buscar fora.

Difícil mesmo acreditar em um time que fora de casa obteve apenas 2 vitórias no ano de 2012 inteiro.

Como já disse em outros posts, quero muito estar errado e não fazer companhia ao Palmeiras na série B em 2013.

Diferente dos palestrinos, penso que esta queda pode encerrar de vez o departamento de futebol profissional da Associação Portuguesa de Desportos.

Agora, INFELIZMENTE só nos resta usar a calculadora e pedir muuuuuuito à Deus por um milagre.

E você torcedor, o que espera das próximas rodadas ? Onde você imagina que a nossa Lusa estará daqui a 15 dias ?

Comenta aí !

PS.: Não adianta xingar o Zé Roberto, e sim os homens que não foram atrás dele, a meu ver, ele foi profissional e age como tal ! Em nossas profissões, eu duvido que exista alguém que por “amor a empresa que lhe deu a primeira oportunidade profissional” desista de sair desta empresa ou mesmo volte para ela ganhando bem menos e sem estrutura mínima de se manter. Com a palavra, o excelentíssimo Manuel da Conceição Ferreira.

Autor do post:
Rodrigo Guilhoto

Deixe seu comentário

(Obrigatório)
(Obrigatório, Não será publicado)
Notificar por e-mail

Seja o primeiro a comentar este post