O Santa Cruz e os Cornos Cuscuz

Faz tempo que decidi que futebol não pode ser prioridade. Mas, claro que eu tenho saudades das minhas loucuras da pré-adolescência, quando eu brigava com todos os garotos do colégio, e brigava feio. Sempre fui destemida, e quando o assunto era Santa Cruz, nossa… era uma baixaria. Não posso dizer se era certo ou errado, mas hoje, o que eu posso afirmar é que era imaturo. E maturidade é sim diretamente proporcional à idade. Tem gente que passa a vida sem amadurecer, passa do estágio verde direto para o podre, mas são felizes assim. Não me cabe aqui julgar a maneira de viver das pessoas. Mas de menina à mulher, muita coisa mudou.

Nós, santacruzenses, nos dizemos tricolores de corpo, alma e coração. E foi exatamente em tudo isto que mudei. No corpo, na alma, e principalmente, no coração. Vou deixar o corpo e a alma de lado e falarei apenas do coração. Ele ficou mais doce, mais sensível e mais humano para muitas coisas, mas quando o assunto é futebol e paixão, ele ficou duro, um verdadeiro coração gelado. Confesso que ainda não sei se isso é bom ou ruim, o que posso dizer é que é real e não vou lutar contra. Deixar de enxergar o óbvio por causa de uma paixão, deixar a vontade dominar a razão, isso era coisa da menina que ficou lá atrás no tempo.

Ultimamente tenho sido muito mal interpretada nas minhas declarações a respeito do Mais Querido. Se eu critico sou taxada de oposicionista, aproveitadora e ingrata. E como tudo o que me acontece (nos últimos tempos) tem me levado a uma breve (ou longa) reflexão, resolvi “escrevinhar” um pouco para desabafar. E a conclusão foi que, realmente, futebol não pode ser a minha prioridade. E mais, tocedor apaixonado é pior que corno cuscuz, aquele que sabe e abafa. Ô raça, viu. Ninguém respeita opinião de ninguém, só a sua prevalece, mesmo que os números, os fatos e atos digam o contrário.

Vamos recorrer à atual conjuntura do Santinha, olhemos para a tabela: 16 jogos; 4 vitóras (nenhuma fora); 7 empates; 5 derrotas; 24 gols-pró; 20 contra; 39,6% de aproveitamento; fora do G-4. Agora me respondam, uma pessoa analisando isto com calma e sem paixão diria o quê dos próximos 2 e últimos jogos? Eu respondo. Seria assim: “Ou perde as duas, ou empata as duas, ou perde uma e ganha outra”. Ganhar as duas? Jamais! Agora a segunda pergunta: O que leva alguém a criticar o outro por “pensar como alguém normal e racional”? O futebol. Ou melhor, a paixão por 1 mísero Clube de futebol. No nosso caso, o Santa Cruz.

O que os “imaturos” precisam entender é que quando alguém – que também ama e vive o Clube como ele ou até mais – diz que não vai ganhar, pelo simples fato de pensar racionalmente, não quer dizer que esse alguém não queira que isso aconteça, não quer dizer que esse alguém não nutre um fio de esperança, não quer dizer que esse alguém não acredite, apenas ele está falando com base na razão. Razão esta baseada não apenas em números, mas, principalmente, em fatos. E sinto dizer aqui para vocês, saí do Arruda ontem muito triste, como há tempos eu não ficava. Acreditem no que digo, por mais duras que sejam hoje as minhas racionais palavras, assim como vocês, eu também quero muito sair deste buraco. E acho que estamos perdendo uma chance de ouro. Como também acho que o Santa Cruz não está pronto (ainda) para uma volta à série B. Questão de opinião, que pode ser embasada em outra oportunidade.

Por fim, pela milésima vez, preciso dizer que não tenho nada contra Zé Teodoro, NADA! Sou grata pelos títulos e pelo acesso. Mas gratidão eterna e futebol, meu bem, é furada. Bola cantada faz tempo, alguns que não quiseram enxergar. Não vou aqui detalhar coisas internas do Clube porque este blog não é feito para isto, mas faltou pulso e vontade de procurar alguém para substituí-lo, faltou coragem. E apenas lembrando algo que se tornou público, o Santa Cruz ofereceu o cargo a Sandro, ele recusou e o “trabalho continuou”, se vocês achavam que depois disso as coisas seriam diferentes do que aí estão, me perdoem, mas além de imaturos, vocês são um bando de tolinhos. Esse medo de mudar que vocês estão pregando, apesar de ser algo bem humano, não combina com o futebol, não combina com o Santa Cruz, e não combina comigo. Ninguém corre um revezamento 4×100 sozinho, passando o bastão para si mesmo. Isso que começou com FBC, Zé Teodoro e ALN é só o começo do recomeço. Game over and bye-bye!

Saudações Corais! Esta sim, eterna.

Autor do post:
Danielle Leal

Deixe seu comentário

(Obrigatório)
(Obrigatório, Não será publicado)
Notificar por e-mail

1 Comentário

  • Carol Machado

    É Dani, eu falei das derrotas ainda antes do jogo contra o fortaleza, foi m casa, mas ler a galera no grupo do facebook falando que era “só ganhar” as partidas contra fortaleza e luverdense q tava certo deu ate pena… Do fortaleza?? ganha não pai, eles tem uma coisa que esse grupo deixou de ter no pernambucano desse ano, raça, e de fato, perdemos de virada… E eu queria muito que conseguíssemos o acesso, mas a realidade ta aí, e vai tomar choque dessa vez quem quiser.