O adeus de um ídolo

O menino de olhos claros, franzino, veio de Campo Formoso interior da Bahia e chegou na Toca do Leão. Foi um dos principais nomes daquele vice-campeonato brasileiro de 1993 pelo Vitória, ao lado de Vampeta, Dida e Paulo Isidoro.  Dribles rápidos, muita habilidade e a capoeira que era sua marca registrada, Alexandro Alves do Nascimento conquistou a torcida rubro-negra mas não demorou muito para brilhar fora daqui.

Campeão Brasileiro pelo Palmeiras,  vice novamente pela Portuguesa, foi ídolo também no Cruzeiro onde ganhou vários títulos antes de se transferir para o Herta Berlim –ALE. Além de uma passagem apagada pelo Juventude. Voltou ao Brasil onde se destacou pelo Atlético-MG e conquistou a Taça Rio pelo Vasco. Retornou ao Vitória, muito homenageado e bem recebido pela torcida… Alex se sentiu em casa novamente. Saiu para o Boavista-RJ, passando por Fortaleza, Kavala-GRE e encerrando a carreira no União Rondonópolis-MT.

Já ex-atleta, corriam boatos da situação difícil de Alex Alves tanto financeiramente quanto de saúde. Em Outubro de 2012, internou-se no hospital Amaral Carvalho em Jaú, interior paulista, para a realização de um tratamento contra leucemia. A notícia sobre a doença de Alex e uma possível internação, já havia sido notíciada em 2007, mas só em 2010 passou a procurar tratamento. A família do ex-atacante não quer se manifestar sobre o assunto e pediu para que maiores detalhes não fossem divulgados. O próprio ex-jogador, enquanto esteve internado, ordenou que seus boletins médicos não fossem divulgados. O que se fala é que ele sofria de uma doença chamada hemoglobinúria paroxística noturna.

O corpo de Alex Alves será cremado, de acordo com a vontade dele, e deverá chegar a Salvador as 9 horas da manhã. A diretoria do Vitória comunicou, em nota oficial, que vai bancar o sepultamento do ex-jogador. Alex Alves tinha planos de fazer um jogo festivo entre amigos no Zezinho Magalhães, estádio do XV de Jaú, assim que fosse liberado pelos médicos. Enquanto esteve internado, recebia ligações constantes de Vampeta, grande amigo que fez ainda nas categorias de base do Vitória.

Vai com Deus, Alex. Você será eterno na memória da Nação Rubro-Negra!

Autor do post:
Gabriel Guimarães

Deixe seu comentário

(Obrigatório)
(Obrigatório, Não será publicado)
Notificar por e-mail

1 Comentário

  • Stefano Paolini

    Meus pesames para a familia. Me lembro dele na epoca que atuava na Europa. Depois o vi ao vivo no Maracanà com a camisa do Vasco da Gama marcar um bonito gol de cabeça contra o Flamengo durante a Taça Rio do 2004. Vai con Deus Alex!