Tarde para esquecer

Numa tarde com boa presença da torcida e uma vantagem conseguida na partida de ida, o Vitória pecou durante boa parte da disputa, encontrou um árbitro que dificultou ainda mais a situação, acabou sendo surpreendido pelo Ceará e deu adeus ao Nordestão, ao perder por 4×1 no Barradão.

O fim da partida foi tumultuado. (Foto: Eduardo Martins - Agência A Tarde)

O treinador Caio Júnior falou sobre a apresentação de seus comandados em coletiva: “Infelizmente não tivemos a capacidade de fazer gols. Pela quantidade enorme de oportunidade podíamos ter feito três ou quatro gols que nos dariam a classificação. Agora é absorver e trabalhar para o Campeonato Estadual”.

Sobre as trapalhadas da arbitragem, ele foi enfático: “Achei que a equipe estava muito coordenada e equilibrada. O lance capital do jogo foi o gol do Cajá (Renato). Revi o lance no vestiário (o jogo foi gravado) e foi um absurdo o árbitro marcar falta do Nicácio (Marcelo) que não teve interferência nenhuma no lance. A bola é alçada no primeiro pau, Nicácio disputa a com o zagueiro, a bola passa fora do alcance dos dois e o Cajá faz o gol. Dentro da normalidade do jogo, 1 a 0 faria uma enorme diferença porque o Ceará teria que fazer três gols. A anulação do gol do Cajá é inadmissível e a não marcação do pênalti em Dinei é inadmissível também. Vi o lance. Se não quisesse dar o pênalti no primeiro lance teria que dar a falta de Fernando Henrique. Ali ele (árbitro) acabou o jogo. Expulsou todo mundo”.

Com a próxima partida válida pelo Campeonato Baiano marcada apenas para o dia 20 de março, o Vitória terá bastante tempo para treinar e corrigir suas deficiências que foram gritantes na partida de ontem.

Autor do post:
Carlos Lima

Deixe seu comentário

(Obrigatório)
(Obrigatório, Não será publicado)
Notificar por e-mail

1 Comentário

  • carlos leão

    Pessoalmente, acho que não devemos esquecer.

    Devemos lembrar o colo colo 2006/ série c/ derrota para o atlético go 2010/ virada do são caetano 2011/ bahia de feira e ceará.

    Devemos lembrar sempre, para deixar de entrar no campo com a sensação de que a questão esta liquidade.

    Jogo são 90 minutos e o time entrou com soninho (principalmente a zaga).