Sobre a morte em Oruro

Eu estou sinceramente consternado com a morte do torcedor em Oruro.

Essa frase acima foi a única que consegui escrever no dia de ontem, quando comecei este post.

Perdi a manhã inteira de trabalho, sem consegui pensar em outro assunto e tentando externalizar aqui a revolta sentida e os temores pelo futuro, tentando dar coerência a tudo aquilo que valeria a pena compartilhar com nossos leitores afim de, humildemente, tentar romper retórica superficial e bravatas babacas que teimam em ocupar os holofotes em momentos como este, para contribuir minimamente para o debate racional que deveria, enfim, construir a solução do problema que se arrasta a tantos anos.

Entendam, quando digo que perdi a manhã inteira de trabalho eu não estou falando d’OsGeraldinos. Eu não trabalho aqui. Ninguém trabalha, aliás. O fazemos por prazer, e com muito prazer, mas todos nós que aqui publicamos temos nossas versões “Clark Kent”, que bate ponto todo dia para buscar o sustento. Foi com essa profundidade que a tragédia me atingiu. Interferindo em meu trabalho.

Sou pai de uma menina linda de 2 anos e meio que quero levar comigo aos estádios. Ela não tem a menor ideia de porque aquela bolinha rolando na grama com 22 patetas correndo de um lado pro outro trás tanta alegria ao pai dela, mas reconhece essa alegria e mesmo sem entender quer participar dela. Que felicidade não foi, vê-la gritar espontâneamente Coeeelhooo! ao ver o escudo no capô do carro que parou para atravessarmos a rua dias atrás (ainda que o escudo não fosse do América, mas do Fluminense).

Quero poder um dia dividir com ela toda essa alegria e temo que talvez não possa.

E esse foi só um dos gatilhos da minha consternação.

O post não andou porque fracassei ao tentar colocar “no papel” argumentos que fossem válidos para o debate. Felizmente tem muita gente melhor que eu por aí, assim fica recomendadíssimo o post do Flávio Gomes, que conseguiu organizar com muita lucidez o texto no link abaixo.

GIRA MONDO, GIRA – Flávio Gomes

Autor do post:
Henrique Pinheiro

Deixe seu comentário

(Obrigatório)
(Obrigatório, Não será publicado)
Notificar por e-mail

Seja o primeiro a comentar este post