Ah, que falta faz o Guga…

Equipe brasileira da Copa Davis

Equipe brasileira da Copa Davis

E ontem começaram os confrontos pela repescagem e pelas semi-finais da Copa Davis.

O Brasil por sua vez enfrenta a Alemanha pela repescagem, para tentar permanecer ngrupo principal da competição, mas esta difícil.

No primeiro dia do confronto, o número um do time Alemão, Philipp Kohlschreiber venceu o Rogerinho por 3 sets a 0, com parciais de 6/3 7/5 6/4. A diferença técnica dos dois é gritante, o alemão é número 25 do mundo, enquanto o brasileiro é apenas número 127. Dizem que Copa Davis é Copa Davis e as vezes colocação no ranking não faz diferença nesse tipo de competição em equipes, mas não foi o que aconteceu. Rogerinho tem força de  vontade e raça de sobra, mas falta qualidade.

No segundo dia de confronto, no jogo que esperávamos mais equilíbrio, Florian Mayer simplesmente atropelou Thomaz Bellucci por 3 a 0, com parciais de 6/4 6/1 6/2. Hoje chegou a notícia de que Thomaz esta com muitas dores no ombro e não jogou 100%, bem provável pelo que vimos em quadra.

Hoje tivemos o confronto de duplas entre os mineiros Bruno Soares e Marcelo Melo contra Daniel Brands e Martin Emmrich, e o que vimos foi uma aula de como se jogar uma partida de duplas pelos brasileiros. Vitória nossa por 3 sets a 0, com parciais de 6/3 6/4 6/4.

O confronto hoje esta em 2 a 1 para os alemães. Vamos torcer sempre para o Brasil, mas acho dificil o machucado Bellucci e Rogerinho vencerem seus jogos amanhã. Mas como disse antes, Copa Davis é Copa Davis.

Bom, agora vamos ao título do meu post. Hoje temos na equipe brasileira, uma dupla fortíssima, pronta pra vencer qualquer outra dupla do mundo. Bruno joga no circuito ao lado do Austríaco Peya, e são hoje a segunda melhor dupla do mundo. Marcelo Melo não fica muito atrás, disputou a poucos meses a final de Wimbledon ao lado do croata Ivan Dodig e esta hoje na 11ª colocação do ranking. Ah, que falta que faz um tenista de qualidade em simples. Quando digo qualidade não quero menosprezar os que temos hoje, mas quero dizer um jogador de nível top 50 ou top 30 pra bater de frente com os grandes times da Davis.

Na época do Guga, Meligeni, Jaime Oncins e cia, o Brasil chegou a semi final da Davis, e na época, quer queira ou não, Guga levava o time nas costas, dependíamos sempre dele vencer suas duas partidas de simples, com Meligeni tirando um pouco de sangue dos adversários com sua raça, e depois entrando pra brigar nas duplas com Jaime e o desgastado Guga. E mesmo não tendo uma dupla forte como a que temos hoje, chegamos nas semifinais, perdendo para um qualificadíssimo time da Austrália, na casa deles, com Hewitt e cia.

Ah, se tívessemos Guga e os mineiros jogando na mesma época!! Foi por poucos anos de diferença, mas sonhar não custa nada né??

 

Autor do post:
Edu Marzotto

Deixe seu comentário

(Obrigatório)
(Obrigatório, Não será publicado)
Notificar por e-mail

Seja o primeiro a comentar este post